Eleição para reitor da UTFPR é suspensa | Notícias | Curitiba | Jornale

Eleição para reitor da UTFPR é suspensa

03/07/2020

Problema em metade das urnas inviabiliza eleição

 

 

O Colégio Eleitoral da UTFPR declarou na noite de quinta-feira que não poderá concluir a apuração dos votos da eleição para reitor que a instituição fez no dia 30 de junho. Segundo a nota de esclarecimento assinada pelo presidente do colégio eleitoral, Jair Ferreira de Almeida, a chave de criptografia que permitiria o acesso aos votos não funcionou em algumas urnas (não foram apuradas 19 das 39 urnas). “Sendo assim, este Colégio Eleitoral dá por encerrada a suspensão temporária da apuração e deixa de apresentar o resultado da consulta”, escreveu.

 

Com isso a eleição para reitor da instituição fica em suspenso até que se encontre uma solução. A reitora em exercício Vanessa Ishikawa Rasoto fez um pronunciamento (https://www.youtube.com/watch?v=0iyAQYq3RWg&feature=youtu.be) no qual leu um texto explicando o ocorrido. Ela, no entanto, veiculou uma informação inverídica que seria a exigência para o envio dos nomes da lista tríplice ao MEC com 60 dias antes do fim do mandato do atual reitor. Isso não é verdade porque a eleição ocorre sob a égide da MP 914/2019, como foi reconhecido pelo 6ª Vara Federal de Curitiba, e ela não exige tal prazo. Vanessa Rasoto concorre à reeleição como vice da candidatura do reitor Luiz Pilatti.

 

Isso causou receio no grupo que concorre contra os atuais reitor (licenciado) e reitora em exercício. Segundo o professor Antonio Gonçalves de Oliveira há o risco de se usar o argumento do prazo para inibir a realização de uma nova eleição em toda a universidade. “Nós defendemos que todos os membros da comunidade acadêmica possam votar novamente. Devemos lembrar que a eleição foi feita durante o maior temporal e com a passagem do ciclone bomba pelo Paraná e muitas cidades onde tempos campi ficaram sem luz ao longo do dia. Como a votação é eletrônica não há problema em abrir para que todos votem novamente. Aliás, para se falar em democracia de fato é preciso ouvir e respeitar a vontade da comunidade”.

 

Essa incerteza quanto ao pleito fez com que o candidato Marcos Schiefler Filho também fizesse um pronunciamento na noite de ontem (https://www.youtube.com/watch?v=F-iafBRtSsw). Para ele há o risco de manipulação do processo para que apenas uma parte da comunidade vote novamente, excluindo-se a outra metade.

 

O sistema de votação já havia sido objeto de controvérsia anteriormente, tanto que a oposição protocolou vários problemas possíveis, mas eles foram totalmente desconsiderados pelo colégio eleitoral.  Entre as alegações estava o fato de que o sistema para a votação virtual Helios Voting não ofereceria a segurança necessária em termos eleitorais para uma eleição do porte da que seria realizada na UTFPR.

 

Segundo Schiefler é preciso rever toda a eleição pois tanto o temporal ciclone bomba que assolou o estado do Paraná, quanto a falha do sistema causaram um grande prejuízo a todo o processo. “Precisamos de uma eleição em que seja possível confiar no resultado para dar legitimidade ao próximo reitor. Não podemos ser apressados e descuidados com esse processo, ainda mais agora. É preciso uma eleição isenta. Não existe meio resultado. Não pode existir meia eleição”, afirmou Schiefler.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest