Assassino de Rachel Genofre comete crimes há 31 anos

Carlos Eduardo dos Santos confessou o crime cometido há 11 anos



O delegado da Polícia Civil Marcos Fontes disse que o suspeito de matar a menina Rachel Maria Lobo Oliveira Genofre, Carlos Eduardo dos Santos, de 52 anos, vem cometendo crimes há 31 anos.


O primeiro deles, em julho de 1985, conforme o delegado, foi abuso sexual contra uma menina de quatro anos na cidade de São Vicente, em São Paulo. O último crime praticado pelo suspeito, de acordo com a polícia, foi de estelionato, em 2016.


Durante as investigações, conforme a Polícia Civil, o suspeito praticou ao menos seis estupros contra crianças com idade entre 4 e 14 anos. No caso citado acima, conforme o delegado, ele convenceu a esposa, à época, para ela trabalhar como cuidadora da menina para facilitar a proximidade dele com a vítima.


"Nós não temos ainda todas as informações pra saber as penas dos outros crimes e porque ele foi solto. Só sabemos que alguns foram desqualificados e em outros ele foi até absolvido", disse a delegada Camila Cecconello.


Além dos estupros, Carlos é suspeito de ter praticado, em média, 17 crimes de estelionato e um roubo, ainda conforme a Polícia Civil.


A morte de Rachel foi em novembro de 2008. O corpo dela foi encontrado dentro de uma mala na Rodoviária de Curitiba. Carlos dos Santos foi reconhecido em setembro deste ano após a identificação feita através de um exame de DNA.


Ele está preso desde 2016 para cumprir pena de 22 anos por outros crimes e confessou o assassinato contra Rachel dizendo que agiu sozinho. Nesta terça-feira (22), o suspeito foi transferido para a Delegacia de Homicídios, na capital paranaense, e deve ser transferido para a Casa de Custódia.


Sempre a mesma conversa

Conforme a delegada Camila, durante os vários crimes, a principal característica do suspeito era a de ludibriar e seduzir as vítimas e demonstrar sempre ser uma boa pessoa pra convencê-las a se aproximarem dele. "Ele sempre chegava com a mesma conversa", disse a delegada.


Outra característica apontada pela delegada sobre Carlos Eduardo é a de que ele Carlos sempre fugia da cidade após ser descoberto.


Para conseguir emprego, o suspeito usava nomes falsos e sempre procurava o líder religioso de cada cidade para parecer solícito com a comunidade e se aproximar das possíveis vítimas, segundo a Polícia Civil.


"Nós estamos diante de um indivíduo manipulador, mentiroso compulsivo", afirmou o delegado Marcos Fontes. Ele disse ainda que o suspeito não admite ser contrariado e que, diante disso, se torna extremamente violento.


Segundo a delegada Camila Cecconello, Carlos dos Santos falou com frieza sobre o que aconteceu com Rachel e não demonstrou arrependimento. À época do crime, ele morava a menos de um quilômetro da escola onde Rachel estudava, e a menina passava com frequência pela rua onde ele morava.


A delegada disse ainda que o suspeito contou que atraiu a menina para a casa onde estava morando dizendo que era produtor de um programa infantil de televisão e que Rachel ficou interessada.


Por conta disso, segundo ele, a menina aceitou ir até o local com a intenção de assinar um contrato para participar do programa.

20 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest