Evander Holyfield comenta sua luta contra Mike Tyson em 1996

Evander Holyfield se lembra do dia 9 de novembro de 1996, dizendo: O dia em que venci Mike Tyson!

“A luta com Tyson em 1996 foi a noite mais satisfatória da minha carreira, porque o caminho que eu estava trilhando era para chegar naquele momento. Tudo o que consegui na minha carreira profissional foi sempre comparado as conquistas de Mike Tyson. Sempre ouvia, "bem, você não pode vencer Tyson" Eu acho que há uma pessoa na vida que você tem que enfrentar para passar no teste. E Mike Tyson foi o cara que todo mundo colocou diante de mim, "você venceu o Buster Douglas, mas você não pode derrotar Mike Tyson." Mas eu fui capaz de fazer isso e meio que tirei o peso das minhas costas", disse Holyfield para o site Boxing News.

E continuou: “Então, quando eu venci, me deu muita paz. Estávamos na concentração por cerca de seis ou sete semanas antes da luta. Eu estava treinando muito e focamos o treino pensando na velocidade de Tyson."

Então nós praticamos tudo o que era possível de evitar seus poderosos golpes; ele luta em surtos, então praticamos em surtos de alta energia. Foi assim que Mike lutou, ele ficou louco, depois ficou mais devagar por um tempo, depois voltou louco de novo."

“Eu tinha visto praticamente todas as lutas dele desde as Olimpíadas de 1984. Em última análise, os dois melhores caras têm que lutar entre si; Eu sei o que é o jogo de boxe e é uma sorte ter alguém tão bom quanto você na sua divisão, porque é aí que você ganha dinheiro. Você não ganha muito dinheiro apenas batendo em todo mundo e eu tive a sorte de ter cerca de seis ou sete pessoas na minha divisão que eram lutadores muito capazes."

“Eu percebi que uma pessoa como Tyson era como um valentão, e toda a minha vida, eu e os valentões não nos dávamos bem. Eu percebo que eles só podem tirar de pessoas que eles sentem que podem se aproveitar. Eu não estou tirando nada de sua habilidade. Mas os valentões não gostam que as pessoas contra-ataquem, eles apenas gostam que as pessoas saiam do caminho."

“Se você notar naquela luta, eu sou o único que engajou, eu fiz isso acontecer porque se você der algum sinal de que você está desabando nele ou dar um passo para trás, ele fica mais forte, então eu não iria mostrar fraqueza."


A luta com Mike Tyson, comenta Evander Holyfield:

"Ele não me machucou. Eu não estou dizendo que ele não bateu forte, ele fez, mas eu não vou dizer que ele acertou mais forte do que os outros com quem lutei. Eu fui muito atingido por muitas pessoas e, claro, a melhor coisa é não ser atingido. A arte não é ver o quanto ele bate, mas para ver como ele reage quando eu o acerto. Toda vez que ele me acertava com um soco, eu queria ter certeza de que eu estava o acertando com um contra-ataque. É importante entrar no último soco porque é o último soco que você lembra. Então, em cada rodada, eu me certifiquei de ter conseguido o último soco, para que ele pudesse pensar em como eu era difícil."

“Ele mudou de atitude. Tyson deu aqueles sinais de aflição quando ele continuou reclamando para o árbitro. Ele torceu meu braço, então eu torci o braço dele para trás e ele se queixou ao árbitro. Ei, ele torceu meu braço primeiro! Você tem que lutar fogo com fogo; você não pode simplesmente dizer "ok" e deixar isso acontecer. Ele me deu uma cabeçada de propósito algumas vezes - eu não disse ao árbitro. Ele iria empurrar e colocar o cotovelo na minha cara, então eu fiz a mesma coisa de volta. O que quer que ele tenha feito comigo, eu fiz de volta. Se você quiser jogar dessa maneira, podemos fazer isso dessa maneira. Eu não tentei fazer isso sorrateiramente, se você fizer isso comigo, eu vou fazer de volta. Eu não ia envolver o árbitro porque, para mim, isso não importava. Mike olhou para mim e eu olhei para Mike, deixei claro que qualquer coisa que ele fizesse, por mais que ele tocasse, eu faria a noite toda.

“Eu machuquei ele na sexta rodada com um golpe no corpo e na parte superior do peito. Eu percebi que uma corrida não é vencida até que você cruze a linha de chegada. Eu me lembro quando John Tate lutou contra Mike Weaver e ele foi atingido por um uppercut. Tate ganhou essa luta, mas foi pego na última rodada e caiu de cara no chão. Com isso em mente, eu sabia que a luta não acabou até acabar. Realisticamente eu sabia que Tyson era um homem que tinha que ser respeitado, porque toda vez que ele jogava, ele estava tentando me derrubar."

“No 10º round, eu sabia que ele estava acabado. Fiquei surpreso que ele saiu para a 11ª rodada porque ele ainda estava tão atordoado. Comecei a acertar golpes para marcar uma distância segura, porque sabia que não precisava chegar perto, porque ele estaria pronto para me pegar a qualquer momento."

"Eu queria que ele me alcançasse com o jab, o que ele fez. Ele colocou o jab fora e, de repente, eu bati nele com a mão direita e ele foi cambaleando para o lado. Eu sabia que era isso. Mesmo se eu tivesse que continuar dando golpes duros pelo resto da rodada, isso é o que eu faria."

“Depois que eu ganhei, pensei 'ok, eu fiz isso. Todos disseram que eu não poderia fazer isso. ”Talvez não tenha acontecido em 1991, mas aconteceu em 1996. De todas as minhas vitórias no peso pesado, essa foi a mais emocionante para mim.”

26 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest