Ex-peritos do caso Renata Muggiati tornam-se réus

Os dois são acusados de fornecer laudo com falsa conclusão

A Justiça aceitou incluir os médicos-legistas Daniel Colman e Francisco Moraes Silva na denúncia contra o médico Raphael Suss Marques, acusado de matar a fisiculturista Renata Muggiati. De acordo com o Ministério Público do Paraná (MP-PR), Colman e Silva se tornaram réus por causa de um laudo de exame de necropsia com conclusão falsa quanto à causa da morte da mulher. O pedido da promotoria foi aceito, no sábado (30), pela juíza Marcia Margarete do Rocio Borges, do Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher de Curitiba.

Colman foi demitido do cargo que ocupava no Instituto Médico-Legal (IML) no começo de junho. O decreto, assinado pela governadora Cida Borghetti (PP), diz que Colman infringiu o Estatuto do Servidor do Paraná ao omitir informações de grande importância na elaboração do Laudo de Exame de Necropsia e que levaram a uma falsa conclusão quanto à causa da morte. “Conduta correspondente, na esfera penal, ao crime de falso testemunho ou falsa perícia, tipificado no art. 342 do Código Penal”, informa a decisão.

Principal suspeito pelo crime, Marques está em liberdade e usa tornozeleira eletrônica.

Últimas Notícias