A influência da tradição Polinésia na tattoo contemporânea | Notícias | Curitiba | Jornale

A influência da tradição Polinésia na tattoo contemporânea

25/01/2018

Tatuagens tribais da polinésia desempenharam um papel importante nas tatuagens em Blackwork que você vê hoje

Devido à sua prevalência, popularidade e estética aparentemente arbitrária, as tatuagens tribais são muitas vezes vistas como uma tendência de arte corporal fugaz. No entanto, sem o conhecimento de muitos, essas tatuagens de trabalho em preto distintivo apresentam um fundo rico de história e significado cultural.

Caracterizados por sombreamento preto e motivos distintivos que variam de ondas turbulentas a abstrações angulares, essas tatuagens são enraizadas na história polinésia e, tradicionalmente, são profundamente simbólicas.

Aqui, exploramos esse fenômeno fascinante para rastrear a origem e a evolução da prática de tatuagem em preto.

O que é uma tatuagem em preto?

Uma tatuagem em preto é uma obra corajosa de arte corporal produzida em planos sólidos de tinta preta. Geralmente, essas tatuagens são compostas por padrões abstratos e formas geométricas, embora algumas formas figurativas características e cenas e assuntos reconhecíveis.

História

Como a maioria das tradições da tatuagem, a arte do corpo com trabalho negro data de séculos e, desde então, evoluiu para uma forma de arte contemporânea.

ORIGEM POLINESA

A existência de tatuagens em preto remonta ao início da tradição de tatuagem de milhares de anos. Originalmente, as antigas tribos polinésias empregavam a arte corporal totalmente negra como forma de comunicar suas identidades (incluindo a posição social e a linhagem), bem como suas crenças religiosas e ideias de guerra.

Muito parecido com as "tatuagens tribais" modernas, essas peças simbólicas e sagradas foram constituídas por símbolos e imagens minimalistas, bem como por faixas e motivos geométricos.

ADAPTAÇÕES OCIDENTAIS

Desde o século 18, essas tatuagens de inspiração polinésia se mostraram populares na cultura ocidental. Em 1769, o explorador britânico James Cook viajou para o Taiti, onde ficou fascinado com as tatuagens das tribos e posteriormente introduziu a classe trabalhadora da Europa esse fenômeno. De acordo com o Smithsonian, "as marcas se tornaram mais elegantes entre os europeus, particularmente no caso de homens como marinheiros e mineiros”.

Esse estilo prevaleceu ao longo dos séculos XIX e XX, pois continuou a ser favorecido por trabalhadores e indivíduos de classe baixa.

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba - Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Siga Jornale

  • Pinterest