Por que o joelho pode continuar com dor após uma cirurgia de menisco no joelho? | Notícias do Brasil e do Mundo Hoje | Curitiba | Jornale

Por que o joelho pode continuar com dor após uma cirurgia de menisco no joelho?

30/06/2020

Cirurgia é rápida e permite recuperação quase imediata

A cirurgia para retirada de um menisco rompido é rápida e permite uma recuperação quase que imediata na maior parte dos pacientes. Ainda assim, a lesão preocupa o ortopedista especialista em joelhos até mais do que outras lesões consideradas como de maior complexidade. As consequências a longo prazo da lesão no menisco podem ser bastante preocupantes, principalmente no que concerne à persistência da dor e risco de desgaste precoce nos joelhos.

A dor persistente após a cirurgia pode ter diversas causas:

 

1. A cirurgia pode não ter abordado a causa da dor

 

Muitas pessoas apresentam uma lesão no menisco e não apresentam qualquer tipo de queixa, vindo a descobrir a lesão acidentalmente ao realizar um exame por outro motivo. O exame pode induzir o médico a indicar o tratamento cirúrgico desta lesão. O procedimento é avaliado inicialmente como bem sucedido, mas a dor não melhora, simplesmente porque o menisco não era a causa da dor.

 

2. Artrose do joelho

 

A principal doença que leva a este tipo de “mal interpretação” é a artrose no joelho. Retirar o menisco em um joelho com artrose pode sobrecarregar ainda mais o osso e a cartilagem já desgastada, e a dor pode até piorar em consequência da cirurgia.

 

3. Fratura por insuficiência

 

A maior sobrecarga sobre o osso e a cartilagem após a retirada do menisco pode provocar o que denominamos de fratura por insuficiência. Estas lesões são mais comuns em pacientes com idade avançada, na presença de artrose, deformidades angulares (varo ou valgo), obesidade, sedentarismo e após ressecções de fragmentos extensos do menisco.

 

4. Persistência da lesão

 

Na presença de dor, devemos considerar a possibilidade de a cirurgia não ter tido sucesso em resolver o problema. No caso da meniscectomia, isso é menos frequente, já que o fragmento rompido é simplesmente retirado, não dependendo da cicatrização do mesmo. No caso da sutura (reparo) do menisco, o procedimento busca trazer estabilidade para o menisco, mas dependerá da resposta biológica do paciente para uma adequada cicatrização. Caso não haja a cicatrização, o paciente tende a “perder” o reparo e apresentar recidiva da dor, que terá que ser abordada em um novo procedimento.

 

5. Nova lesão

 

A lesão do menisco ocorre mais frequentemente a partir dos 40 anos, quando o menisco já se encontra enfraquecido. Mesmo com a cirurgia, este não deixa de ser um “menisco em risco” para novas lesões.

 

Por todos os motivos expostos acima, a cirurgia para o tratamento da lesão no menisco não deve ser considerada tão simples como muitas vezes se faz parecer. Ainda que a maior parte dos pacientes se recupere prontamente, as consequências de uma cirurgia mal indicada podem ser desastrosas, com dor ainda pior do que o paciente sentia antes da cirurgia. A indicação, desta forma, deve ser bastante criteriosa e, sempre que possível, realizada pelo ortopedista especialista em joelhos.

 

 

Dr. João Hollanda

O dr. João Hollanda é médico ortopedista especialista em cirurgia do joelho e médico da Seleção Brasileira de Futebol Feminino.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest