Hábito de comer carne crua gera riscos à saúde | Jornale

Hábito de comer carne crua gera riscos à saúde

31/07/2019

Alimento apresenta maior probabilidade de contaminação

A carne crua, seja ela bovina, de aves ou peixe, faz parte da cultura culinária e da rotina de alimentação de muitas pessoas. A escolha, no entanto, deve ser feita com atenção por oferecer riscos à saúde, como enfatiza a infectologista do Hospital Edmundo Vasconcelos, Clara Buscarini Leutewiler.

 

O alerta da especialista cabe pelo fato da carne crua apresentar maior probabilidade de contaminação por micro-organismos, como bactérias, vírus e protozoários. Apesar de o perigo existir em todas as categorias deste alimento, cada uma possui uma forma de transmissão diferente.

 

"O risco existe, porém cada tipo de carne está associado a um micro-organismo. Por exemplo, na carne bovina e de porco podem ser encontrados salmonela, a shigella e escherichia-coli. Já no salmão, peixe bastante consumido, podem ser encontrados listeria ou o parasita Diphyllobothriumlatumisteria" , explica.

 

Ainda que o consumo do frango cru não seja tão comum quanto o de carne bovina e de peixe, a médica explica que o perigo de ingerir o animal sem estar cozido contém diferenças que estão ligadas a uma bactéria específica. Clara esclarece que, além da conhecida salmonela, que pode causar diarreia, febre, vômitos e náuseas, este tipo de carne pode conter a campylobacter.

 

Com nome complicado, o micro-organismo pode trazer consequências sérias à saúde, como o desenvolvimento da síndrome de Guillain-Barré, que causa paralisia e hepatite. A médica atenta para o fato de que lavar a carne não é suficiente para eliminar a bactéria, e pode ainda espalhá-la para outros alimentos.

"É importante explicar que para erradicar o problema de contaminação de qualquer carne é preciso que se cozinhe ou frite em temperaturas superiores a 70 graus. Outros métodos não são eficazes e mantém os riscos à saúde", conclui.

Outra importante dica é como identificar se a carne está apta para o consumo, seja crua ou não. Segundo a infectologista, a carne bovina e de porco devem apresentar gordura branca e firme, cor vermelho-brilhante e cheiro agradável. Já o frango e as aves estão adequados ao consumo quando a cor da pele variar do branco ao amarelo, e a superfície for brilhante e firme ao tato. 

No caso dos peixes, o sinal verde é quando os olhos estão arredondados, a guelra é vermelha, o cheiro é suave, a pele está brilhante e as escamas firmes. Outro indício que o animal está fresco é quando ao apertar a carne, ela volte à posição rapidamente. Além disso, não é indicado comprar quando não houver origem determinada e carimbo de inspeção do Ministério da Agricultura, denominado Serviço de Inspeção Federal (SIF).

 

- https://hospitaledmundovasconcelos.com.br

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias Online de Curitiba

Siga Jornale