Os 10 primeiros passaportes mais poderosos no planeta | Destaques | Jornale | Curitiba

Os 10 primeiros passaportes mais poderosos no planeta

12/07/2019

O Brasil situa-se em 18º lugar oferecendo acesso sem visto a 169 países e infelizmente a Austrália não está entre estes 169 países que não exigem um visto dos brasileiros.

 De acordo com a lista compilada pelo Henley Passport Index, a qual analisa quantos países um portador de passaporte pode entrar sem visto ou com visto na chegada, e nestes critérios o Japão está no topo da lista dos países que têm o maior grau de aceitação.

 

O Henley Passport Index é a medida mais rigorosa e sofisticada de acesso global. Ele vai além de um simples ranking de passaportes para fornecer uma visão detalhada da liberdade de viagem do passageiro. Isto inclui: quais países é possível acessar com cada tipo de visto, como o passaporte têm mudado nos últimos 14 anos, como o passaporte se compara a outros passaportes de diferentes nacionalidades, por que o passaporte tem tal nível de acesso e quais passaportes adicionais melhorariam a mobilidade.

 

O Henley Passport Index é o único índice de passaporte baseado em dados da IATA("International Air Transport Association"), aprimorado por extensa pesquisa interna, apoiado por comentários de especialistas e atualizado regularmente ao longo do ano, tornando-o o índice mais robusto, confiável e reconhecido de seu tipo.

 

O Japão e Cingapura mantiveram o primeiro lugar, com cada país oferecendo acesso sem visto a 189 destinos.

 

A Coréia do Sul agora ocupa o segundo lugar, juntamente com a Finlândia e a Alemanha, com cidadãos dos três países que podem acessar 187 destinos em todo o mundo sem visto prévio. A França, a Espanha e a Suécia ocupam o quarto lugar, cada uma com uma pontuação de 185.

 

Com uma pontuação de 183 pontos no que se refere à obtenção de visto / chegada, o Reino Unido e os EUA agora ocupam o 6º lugar. E enquanto a posição da Austrália no ranking continua a mesma que ocupava no ano anterior - em nono lugar, juntamente com a Nova Zelândia, Islândia e Lituânia.

 

Em turnos significativos em outros lugares do ranking, os Emirados Árabes Unidos entraram no top 20 pela primeira vez na história de 14 anos do índice, com uma pontuação de 165 pontos para isenção de visto / chegada. Nos últimos cinco anos, os Emirados Árabes Unidos mais do que dobraram o número de destinos para os quais seus cidadãos podem viajar sem visto prévio.

 

Lista dos 10 primeiros passaportes mais poderosos no planeta

 

1. Japan, Singapore
2. Germany, South Korea
3. Denmark, Italy, Luxembourg
4. France, Sweden, Spain
5. Austria, Netherlands, Portugal, Switzerland
6. Belgium, Canada, Greece, Ireland, Norway, United Kingdom, United States
7. Malta
8. Czech Republic
9. Australia, Iceland, New Zealand, Lithuania
10. Latvia, Slovakia, Slovenia.

 

O Brasil situa-se em 18º lugar oferecendo acesso sem visto a 169 países e infelizmente a Austrália não está entre estes 169 países que não exigem um visto australiano dos brasileiros. O país do canguru tem vários atributos que o tornam um destino altamente atraente e predileto dos brasileiros. O país tem uma economia robusta e é percebido como um lugar seguro para criar uma família.

 

A boa notícia é que a Austrália continua sendo o mais democrático no mundo e possui um programa de imigração que aceita profissionais, estudantes, empresários, investidores e empreendedores de todas as nacionalidades.

 

Assim, quem sonha em ter um passaporte australiano e entrar livremente (sem visto) em outros 180 países, deve dar o primeiro passo; é necessário obter um visto australiano dentro de uma categoria aceita no programa de imigração da Austrália. Mas esta escolha não é tão simples assim, e, portanto, deve ser uma atitude sábia que antes de iniciar o processo de imigração para ir morar na Austrália, é de fundamental importância contar com uma agência imigratória especializada e que seja devidamente registrada junto ao governo australiano para cuidar do processo de obtenção do visto australiano.

 

O objetivo da agência é fazer a pessoa ganhar tempo, já que o processo é demorado e requer conhecimento da legislação australiana, listas de profissões ou de investimentos permitidos e demais regras do país. "Orientamos que a pessoa faça uma avaliação de elegibilidade do visto para saber se está apta para entrar com o processo na categoria desejada e evitar perdas financeiras. O consultor a ajudará a iniciar o requerimento de visto corretamente, aumentando as chances de sucesso do visto para trabalhar na Austrália", relata MaCson Queiroz J.P., diretor da M.Quality, empresa especializada em Assessoria em Imigração e Negócios para a Austrália.

 

Para descobrir se há chances de ser aceito para morar na Austrália, a M.Quality disponibiliza no site o "1º. Passo Decisivo", um serviço que oferece uma orientação básica gratuita para avaliar se o candidato é realmente elegível para uma das categorias de vistos australianos. Ao preencher o formulário no site, e sendo elegível a uma das categorias, ele recebe um convite para assistir gratuitamente ao vídeo "Elegibilidade e Agora?", no qual será explicado o escopo do trabalho da M.Quality e demais orientações e esclarecimentos imigratórios.

 

Sobre a M.Quality - A M.Quality é uma empresa de assessoria em imigração, negócios e intercâmbio especializada em processos de visto para a Austrália.

 

Fundada em 2001, é a única agência brasileira do setor que possui licença validada pelo governo australiano há 18 anos. A M.Quality foi criada na Austrália e no Brasil por meio do empreendedorismo de MaCson Queiroz JP, engenheiro eletrônico pela Escola de Engenharia Mauá (SP), ex-instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI/SP) e reconhecido consultor imigratório no país. Com sede em Sydney, a empresa possui também escritório em São Paulo. Seu portal tornou-se uma das mais procuradas fontes seguras de informação sobre imigração para a Austrália entre brasileiros.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias Online de Curitiba

Siga Jornale