Audiência pública na Assembleia Legislativa vai debater privatizações | Últimas Notícias | Jornale.com.br | Curitiba - Paraná

Audiência pública na Assembleia Legislativa vai debater privatizações

12/06/2019

Representantes dos Correios, bancos públicos e Petrobras defendem as empresas públicas

 

 

O custo das tarifas, integração de território, funções sociais e da soberania nacional com o projeto privatista do Governo Bolsonaro será debatido em audiência pública na Assembleia Legislativa do Paraná, na segunda-feira (17). Representantes de diversas estatais sairão “Em Defesa das Empresas Públicas”, tema central da audiência, no plenarinho da ALEP, em Curitiba.

 

O evento foi uma iniciativa do deputado estadual Tadeu Veneri (PT-PR) e vai contar com representantes dos Correios, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e Petrobras, além de outras estatais e deputados federais.

 

O Sindicato dos Trabalhadores dos Correios do Paraná (SINTCOM-PR) alerta para os prejuízos para a população em virtude da privatização dos Correios ou mesmo a abertura de capital da Empresa, na Bolsa de Valores.

 

“É importante lembrar que, diferente do setor público, que tem compromisso com a população, o setor privado somente opera onde existe lucro. E, no caso dos Correios, somente 340 municípios grandes e desenvolvidos são economicamente vantajosos para o mercado. Os outros 5.230, que não dão lucro, correriam risco de não serem atendidos”, alertou o secretário geral do Sintcom-PR, Marcos Rogério Inocêncio (China).

 

As multinacionais e grandes transportadoras como FEDEX, DHL e UPS, por exemplo, utilizam os serviços dos Correios para entrega de encomendas em municípios onde eles não têm interesse em atuar, mas cobram de seus clientes o triplo da tarifa praticada pelos Correios. As agências próprias da mais antiga estatal do país são as únicas a oferecer serviços bancários, pagamento de benefícios como FGTS e INSS em municípios que não possuem nenhuma agência bancária.

 

Os Correios hoje empregam 104 mil Trabalhadores diretos, e outros 300 mil indiretos. A venda da estatal colocará em risco a vida desses Trabalhadores e seus familiares, que não terão estabilidade ou garantias.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias Online de Curitiba

Siga Jornale