Vereadores querem proibir sacolas plásticas em Curitiba | Notícias do Brasil e do Mundo Hoje | Curitiba | Jornale

Vereadores querem proibir sacolas plásticas em Curitiba

25/06/2018

Proposta está em tramitação na Câmara de Vereadores

 

 

Goura (PDT) e Professor Euler propuseram a proibição da venda ou distribuição gratuita de sacolas plásticas feitas de derivados do petróleo em todos os estabelecimentos comerciais de Curitiba. De acordo com os vereadores, a medida, já adotada em outros centros urbanos, “é essencial para a proteção do meio ambiente, visto que a matéria plástica derivada de petróleo demora até cerca de 500 anos para se decompor na natureza”.

Citando dados da Fundação Verde (Funverde) de Maringá (PR), os autores comentam que o mundo consome um milhão de sacos e sacolas plásticos por minuto, ou seja, quase 1,5 bilhão por dia e mais de 500 bilhões por ano. “Esse volume assustador de sacos e sacolas plásticas, em sua maioria feitos de materiais derivados do petróleo, acaba nos lixões, solo ou água”.

O projeto estabelece que em substituição às sacolas plásticas, os estabelecimentos podem oferecer [nesta ordem]: materiais reutilizáveis [não descartáveis que podem ser utilizados diversas vezes sem perder suas características iniciais]; compostáveis [entendidos como aqueles materiais provenientes de matéria renovável, que se decompõe naturalmente no ambiente e possuem estrutura que nutre o solo no processo de decomposição]; e biodegradáveis [entendidos como aqueles materiais que são provenientes de matéria renovável e que se decompõem naturalmente no ambiente].

O texto estipula que os estabelecimentos comerciais que disponibilizarem sacolas para os seus consumidores ficarão obrigados a afixar placas informativas junto aos locais de empacotamento de produtos e caixas registradoras, com o seguinte teor: "Ajude o meio ambiente! Evite sacolas plásticas".

“No caso específico do Paraná, somente os supermercados distribuem mais de 1 bilhão e 500 milhões de sacolas plásticas por mês. Trocar essas sacolas plásticas convencionais por outras que causem menor impacto ambiental ou ainda fazer com que a população comece a usar sacolas reutilizáveis são ações emergenciais e que, portanto, justificam a existência de legislação específica para isso” salientam Goura e Euler. Eles também frisam que o projeto é distinto daquele apresentado em 2017 pela vereadora Katia Dittrich, que pretendia eliminar as sacolas plásticas dos mercados ou fazer com que elas fossem pagas pelo consumidor para desincentivar o uso (005.00146.2017 com substitutivo geral 031.00023.2017).

A proposta está sob a análise da Divisão de Biblioteca e Referência Legislativa. Em seguida ele será encaminhado para a Procuradoria Jurídica (Projuris) do Legislativo. Após a instrução técnica, será encaminhada para as comissões temáticas. Durante a etapa dos colegiados, podem ser solicitados estudos adicionais, juntada de documentos faltantes, revisões no texto ou o posicionamento de outros órgãos públicos afetados pelo teor do projeto. Depois de passar pelas comissões, segue para o plenário e, se aprovado, para sanção do prefeito para virar lei. Se sancionada, a matéria entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial do Município.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest