Gerry Cooney fala de sua luta contra Holmes, Super Luta de 1982 | Notícias do Brasil e do Mundo Hoje | Curitiba | Jornale

Gerry Cooney fala de sua luta contra Holmes, Super Luta de 1982

14/06/2018

Gerry Cooney lembra de seu confronto de 11 de junho de 1982 com Larry Holmes

O rei dos pesos pesados Larry Holmes defendeu seu título mundial dos pesados contra o invicto Gerry Cooney, no dia 11 de junho de 1982. Conhecido por seu apelido de "A Grande Esperança Branca" e por seu gancho de esquerda letal, Cooney estava a caminho de se tornar o próximo superstar do boxe. Se ele pudesse levar a coroa de Holmes, Cooney seria o maior lutador em todos os boxe. Uma plateia repleta de estrelas estava em Las Vegas para ver se o imponente irlandês-americano poderia fazê-lo.

Sylvester Stallone estava no ringue, assim como Frank Sinatra. Enquanto o presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, não estava preparado para ligar para Cooney se ele ganhasse a luta (esta é a lenda, de qualquer maneira, e supostamente não havia planos para que Reagan ligasse para Holmes se ele ganhasse).

Uma boa parte da atenção que essa luta atraiu foi definitivamente para Cooney. Fãs e especialistas podem ter respeitado Holmes como um bom ou até mesmo grande lutador, mas ele não tinha nem o apelo do evento nem a pura popularidade que Cooney desfrutava.

Alguns bons juízes, que normalmente acertaram suas previsões, escolheram Cooney para vencer o campeão. No final, no que foi uma noite eletrizante no Caesars Palace, a habilidade, experiência e classe de Holmes foram demais para o poder, juventude e agressão de Cooney.

Parando um corajoso Cooney na décima terceira rodada - quando o corner de Cooney, Victor Valle, entrou no ringue para resgatar seu lutador espancado - Holmes, de 32 anos, venceu a luta que ele simplesmente não podia perder. Nós nunca soubemos disso na época, mas Cooney, apesar de ter apenas 25 anos de idade, não foi muito longe em sua carreira (ele colocaria apenas mais cinco lutas antes de se aposentar em 1990).

Hoje, eles são bons amigos, Cooney e Holmes não têm nada além de respeito um pelo outro. No momento da luta, no entanto, estimulados por promotores rivais e elementos da mídia que construíram a luta como “Black Vs. White”, os dois homens pareciam ter aversão genuína um pelo outro. Em uma ocasião, depois de uma discussão, Holmes ameaçou bater em Cooney se o entrevistador trouxesse Gerry enquanto ele estava sendo entrevistado.

Holmes se enfureceu ainda mais na noite de sua batalha com Cooney, quando décadas de tradição foram pisadas e Cooney, o desafiante, foi anunciado no ringue após o campeão. Holmes manteve a compostura e pronunciou: "Vamos ter uma boa luta", pois os dois grandes homens invictos tocaram as luvas.

Hoje, Cooney está orgulhoso da luta e de seu desempenho corajoso. O boxeador de 60 anos pensa muito sobre a luta, e também lamenta não ter tido mais lutas e ter tido mais experiência antes de sua grande noite.

"Tivemos uma ótima noite, mas infelizmente eu precisei de pelo menos mais três lutas antes daquela", disse Cooney recentemente ao Boxing News ao relembrar seu combate com Holmes.

"Mas eu não consegui ganhar e fiz o melhor que pude. Eu fiz o melhor que pude com as chances que recebi. Se eu tivesse mais um ano, acho que eu teria espancado - e Larry Holmes até mesmo disse isso; que se eu tivesse mais um ano para ficar pronto, eu teria batido nele. Eu e ele somos bons amigos hoje, e essa luta foi um grande momento para mim. Eu perdi, mas depois tive que seguir em frente e seguir minha vida”.

Cooney nunca gostou do apelido de "Esperança Branca" que recebeu:

"A marca da Grande Esperança Branca, que nunca me incomodou", diz ele todos esses anos depois.

“Isso foi tudo besteira! Eu nunca prestei atenção a nada disso. Isso nunca adicionou pressão alguma. Isso foi apenas o trabalho de Don King e suas tentativas de ganhar mais dinheiro. Mas King me afetou como lutador, porque eu não conseguia lutar e não iria ser agenciado por ele. A falta de experiência em não ser capaz de obter mais lutas e não ser capaz de crescer e se desenvolver, isso realmente foi um grande problema para mim. Essa é definitivamente a maior e mais importante coisa que eu diria sobre o que me moldou como lutador - a falta de experiência por não ter lutas suficientes”. Cooney continuou dizendo que: "Quando eu fiz Ken Kenon, isso foi um grande negócio, mas não consegui outra luta antes de entrar na maior luta da minha vida contra o Larry Holmes. Consequentemente, eu tive em minha cabeça, indo para a luta contra Holmes, que eu não poderia jogar pela distância, que eu poderia estar com pouca resistência. Eu queria ir a distância para provar que as pessoas erraram dizendo que eu não poderia fazer isso”.

Cooney diz que a luta contra Holmes foi mais dura do que todas as suas lutas anteriores; por várias razões:

“Deixe-me dizer, eu fiquei confuso entre a minha luta com Ken Norton e minha luta com Larry Holmes; Eu precisava de pelo menos mais um ano de experiência. Essa foi sem dúvida a noite mais difícil da minha carreira, mas também é uma das lutas que mais me orgulham. Foi uma grande luta, fomos para frente e para trás e foi uma luta muito próxima até a paralisação. Mas foi uma luta muito dura. Eram 46graus de temperatura naquela noite em Las Vegas, e eu estava enferrujado porque a 15 meses não houve luta para mim, antes dessa”.

No geral, Cooney tem memórias agridoces daquela noite inesquecível de 1982:

“A luta de Holmes foi, em muitos aspectos, a pior noite da minha carreira no boxe, mas como eu disse, também foi uma ótima noite em muitos aspectos. Eu só lamento que tive que entrar nessa luta tendo tanta inatividade. Levando tudo em conta todos esses anos mais tarde, eu definitivamente acho que se eu tivesse mais três ou quatro lutas contra caras superiores, eu teria vencido Holmes. Mas eu vejo Larry bastante nestes dias e deixe-me dizer, eu chutaria a bunda dele hoje - mas ele não vai brigar comigo de novo!”

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest