Legista é demitido por falsa perícia no caso Renata Muggiati | Notícias | Curitiba | Jornale

Legista é demitido por falsa perícia no caso Renata Muggiati

09/06/2018

Investigação apontou que Daniel Colman emitiu laudo com conclusão falsa

 

 

O médico-legista Daniel Colman do Instituto Médico-Legal (IML) em Curitiba foi demitido do cargo por ter emitido um laudo de exame de necropsia com conclusão falsa quanto à causa da morte da fisiculturista Renata Muggiati, em 2015.

O decreto de demissão, assinado pela governadora Cida Borghetti (Progressistas), foi publicado nesta sexta-feira (8) no Diário Oficial do Estado do Paraná. A decisão foi tomada com base no relatório final de um processo administrativo disciplinar, que apurou o caso.

O médico-legista foi o primeiro a fazer perícia em Renata, em setembro de 2015, quando ela foi encontrada morta depois de cair da janela do prédio onde morava, no Centro de Curitiba.

Colman havia atestado que a fisiculturista não tinha sido asfixiada antes da queda. Porém, outro laudo produzido depois por uma junta de médicos-legistas apontou o contrário.

Conforme o decreto, as provas juntadas pela comissão "comprova que o servidor processado não conduziu seus trabalhos técnicos de maneira adequada, ao afastar, conscientemente, os meios técnicos necessários para chegar ao resultado correto".

O documento mostra ainda que o legista não apresentou "justificativa plausível para essa conduta, quer técnico-científica ou pessoal, mesmo sendo-lhe franqueada a possibilidade de retratação, incorrendo".

Colman também foi indiciado pela Polícia Civil por causa da falsa perícia. Após o indiciamento, em abril de 2018, a Direção da Polícia Científica do Paraná havia informado que ele seria afastado das funções.

No relatório da Delegacia de Homicídios de Curitiba (DHPP), assinado pela delegada Aline Manzatto, a conclusão é a de que "há provas consistentes da prática, dolosa, ou seja, intencional, da autoria do crime de falsa perícia".

O inquérito também tem informações de testemunhas sigilosas. Uma delas afirmou à polícia que ouviu Raphael Suss Marques, namorado acusado de matar a fisiculturista, dizer: "Estou tranquilo, tá tudo certo, já paguei o perito. Paguei bem, R$ 350 mil".

A delegacia destacou que há fortes indícios de que houve corrupção atrelada ao crime de falsa perícia.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest