Galeria de Moscou proibirá venda de bebida alcoólica após ataque | Notícias | Curitiba | Jornale

Galeria de Moscou proibirá venda de bebida alcoólica após ataque

29/05/2018

Homem que danificou a obra-prima com um mastro de metal disse que ficou "sobrecarregado" depois de beber vodka misturada no café

 

Foto - A pintura danificada de Ilya Repin na galeria Tretyakov em Moscou. Foto: Sergei Ilnitsky / EPA

 

Uma das principais galerias de arte da Rússia disse que tentaria impedir a venda de álcool em suas instalações depois que um homem atacou uma obra-prima com um poste de metal depois de beber vodca com café.

O incidente na galeria estatal Tretyakov, na sexta-feira, causou sérios danos a uma das pinturas mais famosas do país, que retrata Ivan, o Terrível, “embalando” seu filho em 1581, e levantou dúvidas sobre como a Rússia protege seus artefatos históricos e culturais.

A pintura danificada foi pintada pelo renomado realista russo Ilya Repin em 1885 e foi descrita por seus curadores na segunda-feira como uma obra-prima da mesma categoria que a Mona Lisa.

Em um vídeo do ministério do interior, Igor Podporin, 37, descreveu como ele havia bebido 100 gramas de vodka (aproximadamente 100ml) no café da galeria, e eu teria ficado "sobrecarregado" e usou um poste de metal para atacar a tela várias vezes.

Zelfira Tregulova, diretora do Tretyakov, disse que queria parar a venda de álcool nas dependências da galeria e conversaria com os locatários de um café e restaurante no local.

“Como agora entendemos, havia pequenas garrafas de vinho ou conhaque no café. Vamos conversar com o café e pedir a eles para parar de vender”, disse ela em entrevista coletiva.

Seria mais difícil convencer um restaurante separado da galeria, mas sendo um café que está dentro é mais acessível o pedido de parar a venda de álcool, disse ela.

"O incidente foi terrível e assustador, a agressão que reina na sociedade", disse Tregulova, que acredita que as pessoas são cada vez mais incapazes de distinguir entre obras de arte e a documentação de fatos históricos.

 

Foto - Uma tela mostra os golpes infligidos na pintura. Foto: Sergei Fadeichev / Tass

 

Vladimir Aristarkhov, vice-ministro da Cultura, disse que o tempo de prisão para tais ataques deve ser aumentado drasticamente a partir do máximo de três anos. Ele acrescentou que os museus da Rússia tinham um déficit de cerca de mil seguranças e pediu que o atacante seja um exemplo disso.

A curadora do Tretyakov, Tatyana Gorodkova, disse que Podporin gritou algo no momento de seu ataque no sentido de que Ivan, o Terrível, não matou seu filho. A pintura retrata o czar embalando seu filho depois de lhe dar um golpe mortal.

Alguns historiadores e nacionalistas russos contestam a ideia de que Ivan assassinou seu filho.

A pintura, que será protegida por uma caixa à prova de balas depois de restaurada, nunca foi valorizada porque nunca foi emprestada, mas outro trabalho de Repin foi vendido por mais de US $ 7 milhões em 2011.

Quando perguntada se ele assumiu a responsabilidade pelo ataque, Tregulova disse que o incidente foi difícil de parar. “Não foi possível fazer nada. Foi uma questão de segundos”, disse ela, acrescentando que a galeria planejava rever sua segurança.

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba - Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest