Nikola Tesla: Eletricidade, Magnetismo e o Boxe | Notícias | Curitiba | Jornale

Nikola Tesla: Eletricidade, Magnetismo e o Boxe

29/03/2018

Após vitória sangrenta de Zivic sobre Armstrong, em 1941, um jantar com Nikola Tesla

FOTO - Da esquerda para a direita: Joe Zivic, Fritzie Zivic, Nikola Tesla, Jack Zivic, Pete Zivic e Eddie Zivic.

 

Em 1941 Nikola Tesla convidou para um almoço com ele em Nova York um famoso boxeador croata-americano chamado Fritzie Zivic, conhecido sob o pseudônimo de “O Cometa Croata” (assim como seus irmãos, que também eram boxeadores), depois de sua defesa bem sucedida do título mundial na categoria welter-weight.

Nikola Tesla – trabalhou com electromagnetismo e engenharia electromecânica, contribuiu em diferentes medidas para o estabelecimento da robótica, controle remoto, radar e ciência computacional, e para a expansão da balística, física nuclear e física teórica. Em 1943 o Supremo Tribunal dos Estados Unidos acreditou-o como sendo o inventor do rádio. Ao todo, Nikola Tesla registrou cerca de 40 patentes nos Estados Unidos e mais de 700 no mundo todo. Suas invenções foram focadas na utilização da eletricidade e magnetismo, entre eles: a lâmpada fluorescente, o motor de indução (utilizado em indústrias e em vários eletrodomésticos), o controle remoto, a Bobina Tesla, Transmissão via rádio, o sistema de ignição utilizado nas partidas dos carros, a corrente alternativa etc.

Sobre a luta antes do almoço com Tesla.

Fritzie Zivic nunca perguntou se seu oponente batia forte, se seu oponente seria duro, antes de qualquer luta, devido a sua autoconfiança. Ele apenas disse "sim" e assinou o contrato para lutar contra Henry Armstrong Jr.

No encontro de 17/01/1941 - 23.190 pessoas lotaram o Madison Square Garden, em Nova York, para essa luta, quando Armstrong encontrou Zivic novamente. Este continua sendo o maior recorde de público de todos os tempos do Garden! Após esta luta, o grande inventor Nikola Tesla convidou seu compatriota e seus quatro irmãos para comemorar está vitória em seu hotel para um almoço.

James P. Douglas, New York Times, escreveu sobre a segunda luta:

"Um grande lutador passou por cima do horizonte da noite passada no Madison Square Garden. Henry Armstrong, cujos punhos pequenos o levaram à distinção de ser o único expoente do ringue a ter três títulos ao mesmo tempo, foi eliminado em 12 rodadas de uma luta selvagem.

"O final veio depois de 52 segundos da 12ª rodada .... O árbitro Arthur Donovan misericordiosamente terminou a batalha depois de duas vezes ter pedido que Armstrong se repusesse ao estado consciente para esta apto. Uma vez, após a décima rodada, Donovan notificou solenemente Armstrong que retribuiu ao aviso com um lampejo da luta passada, era como se quisesse demonstrar que, embora machucado e ferido, cortado e sangrando, seus olhos inchavam, ele ainda tinha muita luta para seu adversário.

"Ao longo da 11ª rodada ele puxou a torcida a seus pés. O ex-campeão martelou Zivic por todo o ringue. Ele atirou no titular com esquerdas e direitos para o corpo, o empurrando com golpes selvagens da esquerda e direita perversa e esmagadoras no rosto e na cabeça. Repetidamente Armstrong roçou a mandíbula com direitos desesperados, golpes com os quais ele esperava virar a maré da derrota esmagadora que estava por vir. Por dois minutos, Armstrong foi para cima, e era um maníaco de combate”.

"Foi glorioso, espetacular enquanto durou. Zivic estava muito ocupado tentando se defender neste ataque inesperado para lançar um contra-ataque. Mas então Zivic foi para o ataque e no último minuto da 11ª rodada ele golpeou e socou Armstrong impiedosamente com esquerdas e direitos curtos, entrecortados mas pungentes que rasgaram feridas velhas (olhos) e começaram um fluxo de sangue”.

“Examinado pelo médico entre as rodadas, Armstrong teve permissão para continuar e ele começou o round 12 como se quisesse pressionar sua recuperação dinâmica. Mas ele havia dado todas as suas forças naquela 11ª rodada. Ele tentou um direito de “roundhouse” para a mandíbula, estava perdido e acabou escorregando.

Armstrong foi para cima, só para ser bombardeado pela chuva de golpes de Zivic. Donovan percebeu o que Armstrong deve ter sabido, mas não admitiu, o árbitro se colocou entre os lutadores e acenou o fim da luta, e junto com o sino final a carreira de Armstrong também estava se encerando".

Abaixo uma transmissão de rádio da luta

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba - Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest