Como no Jazz, no boxe a improvisação mostra seu estilo | Jornale

Como no Jazz, no boxe a improvisação mostra seu estilo

04/02/2018

Filme “A vida de Miles Davis” e a relação do jazz com o boxe

Em decadência e consumido pelo vício em drogas e remédios, o lendário trompetista Miles Davis (interpretado por Don Cheadle) sai da cena musical em 1974 para recuperar sua saúde. Determinado a publicar uma matéria exclusiva sobre o músico, o jornalista Dave Braden (interpretado por Ewan McGregor) não respeita o seu isolamento e os dois iniciam uma trajetória inspiradora ao mesmo tempo trágica. Link

No entanto Miles Ahead acaba mostrando os anos mais duros de Miles Davis. Tratando-se de uma figura que passou metade da sua vida a aparecer e desaparecer do mundo, é óbvio que a sua biografia cinematográfica está cheia de elipses fictícios. Link

O filme mostra sua paixão pelo boxe e as relações que fazia entre o esporte e o jazz.

 

História: A caminho de casa depois de uma sessão de treinamento no Bobby Gleason’s Gym, no Bronx, em 1970, Miles Davis disse a Dan Morgenstern, da revista Down Beat, que “o boxe é como a música. Você sempre acrescenta a ela.”

O legendário trompetista de jazz e compositor não é a única pessoa que tem feito essa comparação. George Foreman afirmou que o “boxe é como o jazz. Quanto melhor for, menos gente vai gostar”. No entanto, poucas pessoas são qualificadas como Mile Davis para pensar a relação entre a música e o pugilismo. Ao longo da sua vida e de sua carreira, a conexão que o cara tinha com a “ciência doce” era quase tão complexa e fascinante quanto a sua música. Foi uma fonte de inspiração na infância, uma musa—e até um salva-vidas.

Miles Davis cresceu amando o boxe e amadureceu durante uma época fundamental do esporte. Como o crítico cultural Gerald Early escreveu no seu ensaio “The Boxer as a Black Male Hero” (O Boxeador Como Herói Negro), publicado no livro Miles Davis: The Complete Illustrated History (Miles Davis: A História Ilustrada Completa), “Ele tinha onze anos quando Joe Louis se transformou no segundo peso-pesado negro e em um ícone norte-americano, em 1937, quando ele venceu o Cinderella Man, James Braddock, em oito rounds. Davis tinha 25 anos de idade em 1951 e já era um músico de jazz profissional quando Joe Louis, já mais velho, foi nocauteado em oito rounds contra Rocky Marciano. Em outras palavras, Davis viveu a sua adolescência e seus anos adultos mais jovens testemunhando o arco da carreira de Louis como um dos homens negros mais proeminentes da época, um herói pra milhões de negros não só nos Estados Unidos, mas ao redor do mundo.”

Davis cresceu aspirando a esse tipo de heroismo. “Eu gosto quando um garoto negro diz ‘Nossa! Olha lá o Miles Davis’ como diziam sobre Joe Louis.” Link http://gphistoricos.blogspot.com.br/2016/07/miles-davis-e-o-boxe.html

O Filme vai passa dia 09/02/2018 no canal HBO 01:50 am

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias Online de Curitiba

Siga Jornale