Feminilidade, singularidade e independência | Notícias | Curitiba | Jornale

Feminilidade, singularidade e independência

26/12/2017

O escândalo de Harvey Weinstein destacou como as ideias retrógradas para as mulheres e seus corpos ainda estão, infelizmente, vivas em nossa sociedade. Uma das primeiras mulheres a falar contra Weinstein e revelar sua história de agressão sexual foi a atriz e cineasta Argento.

Se a mídia internacional elogiou Argento por sua coragem, não era exatamente o caso em seu país de origem. Na verdade, a atriz recebeu críticas não apenas jornalistas, mas também celebridades femininas locais e usuários de internet.

Para afirmar que ela não é uma vítima, mas uma forte sobrevivente, Argento postou um selfie em sua conta do Instagram logo após suas revelações. Mostrou seu corpo nu, coberto de tatuagens criadas pelos tatuadores contemporâneos Marco Manzo e Francesca Boni.

A imagem reveladora recebeu comentários muito duros. As pessoas estavam apontando que as tatuagens de Argento tornam-na uma vítima menos convincente. Alguns até tentaram desenhar paralelos entre sua "agressão" e sua arte corporal ... Dirigindo-se ao assunto, a atriz disse ao jornal francês Libération:

"Eu sou considerada como a menina que não tem problema em ficar nua: isso significa papéis de prostitutas, strippers [...] Sou confundida com uma maníaca sexual".

Ela faz um bom ponto. É quase 2018, e ainda assim, as mulheres tatuadas são muitas vezes retratadas como “trashy”, promíscuas e com padrões baixos. Os corpos tatuados invadiram anúncios comerciais, mas se os homens agora estão associados à criatividade, às máscaras e a uma atitude legal, as mulheres ainda são usadas para as imagens sexuais.

Não é inédito isso nos espaços públicos, as mulheres já são mais propensas a experimentar contato físico indesejável de estranhos do que seus homólogos masculinos. Para mulheres com tatuagem visível, a situação é ainda pior porque muitos desses perpetradores veem suas tatuagens como um "convite" que lhes permite tocar.

A arte do corpo tornou-se de alguma forma uma outra desculpa para violar a zona de conforto de uma mulher. Mas ter tatuagens, assim como usar um vestido ou uma saia ou o que quer que seja, por favor, não garante esse tipo de comportamento.

Muitas mulheres tatuadas experimentaram esse problema fora da comunidade das tatuagens, mas também dentro. O clichê de uma menina tatuada sexy é constantemente promovido por revistas e marcas na indústria. Mesmo algumas convenções de tatuagem de renome internacional estão usando belezas nuas para atrair mais visitantes do que apenas os adeptos de tatuagens usuais.

É especialmente irônico, pois a arte da tatuagem tem sido usada por muitos anos pelas mulheres como forma de recuperar seus corpos.

Uma boa notícia é que mais e mais artistas de tatuagens estão trabalhando com sobreviventes para ajudá-los a curar com a arte corporal.

A tatuagem é e deve continuar a ser uma maneira segura para as mulheres expressarem sua feminilidade, singularidade e independência. O exemplo da Ásia Argento nos lembra que ainda há um longo caminho a percorrer antes de todos os Harvey Weinsteins deste mundo se controlar e parar de culpar as mulheres por seu próprio comportamento inadequado, mas isso não significa que não devemos continuar tentando.

 

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba - Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest