O boxe não é para os corajosos, é para a vida | Notícias | Curitiba | Jornale

O boxe não é para os corajosos, é para a vida

21/12/2017

Sergio "Maravilla" Martínez foi convidado para o programa de esportes TyC, em Tocala. O ex-campeão mundial de peso médio falou sobre tudo: sua luta com Chávez, sua luta contra Cotto e até Floyd Mayweather. Ele também falou sobre sua aposentadoria e o momento ruim em que isso teve que acontecer. Aqui as passagens mais memoráveis ​​da entrevista

 

"Em 2 de maio de 1995, foi a primeira vez que fui ao ginásio treinar boxe. Eu coloquei minhas luvas e eu sabia o que era isso ", foi a abertura que Sergio Martinez fez na entrevista. Mas então, ele fez uma pequena viagem ao presente, aludindo com altivez que: "Era mais que talento, tive habilidade e tudo isso conquistado com horas e horas de trabalho".

"O boxe me fez muito “frio”. Isso não significa que não reagirei, mas sei quais são as consequências ", disse Maravilla. "Não pode haver ódio no ringue. Quando há emoções, você perde a luta ".

"Eu sempre escutei meu instinto, e acho que vai antes dos sentimentos, pensamentos e tudo. O ringue não podia depender do rival. Eu dependia de todo o trabalho que já fiz ".

Em um momento do programa, o boxeador de 41 anos olhou para a câmera para anunciar com sabedoria: "O boxe não é para os corajosos, é para os vivos. Eu sempre fui mais covarde do que corajoso. "

"Eu sou o que sou, graças a Julio César Chávez Jr. também. Se você me tirar dessa luta, não sou o que sou. Tive 1060 ligações depois dessa luta quando ganhei. Quando perdi, eu tinha quatro, e três eram de minha mãe ", disse o boxeador com a grande humildade que o caracteriza.

"Fechei a boca de Chávez na luta que todos viram. Ele foi quebrado no ringue e ganhei a anterior. Confiei no meu trabalho, sabia que ia ganhar e sabia que era o melhor. Não tinha dúvidas de que eu venceria contra Chávez. Foi uma boa aventura. Eu era um campeão porque eu tinha o que era certo para levantar e saber que nenhum golpe de Chávez ia me derrubar ".

"Floyd Mayweather criou uma personagem, e acho que às vezes um pouco, ele comeu, mas todos pagaram para vê-lo perder", foram as palavras picantes de "Wonder", que nunca teve a chance de enfrentar cara a cara com o melhor libra por libra do momento.

"O meu desafio com o rival (Cotto) foi receber menos hits ou não receber diretamente". Ele expressou "Quando perdi, ganhei a liberdade que nunca tinha me dado triunfo. Eu dei muito do meu corpo até que ele me disse que ele estava lá. Quando eu estava no final da minha carreira, não aproveitei. "

"Mentalmente, estou muito aposentado".

"Eu joguei futebol antes do boxe, na ala direita. Era muito nervoso para o futebol, mas quando comecei a boxear, isso ficou mais sério e friamente calculado ".

(texto traduzido e editado)

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

ALEP_MASCARAS-COVID-19_BANNER_motivo01_3
Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba - Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest