Um Mayweather longe dos holofotes | Notícias do Brasil e do Mundo Hoje | Curitiba | Jornale

Um Mayweather longe dos holofotes

18/12/2017

Talvez seja o último dos Mayweather que você já ouviu falar. Por ordem de reconhecimento, ele está sempre um passo atrás de seus dois irmãos e seu sobrinho, mas Jeff é outro membro que tem sido instrumento no desenvolvimento de uma das mais famosas famílias de boxeadores. O outro tio de Floyd Mayweather Jr. também lutou profissionalmente, embora ao contrário do pai de Floyd e Roger - conhecido como La Mamba Negra - ele só trabalhou como lutador por nove anos e deixou um recorde de 32 vitórias (10 KOs) 10 derrotas, 5 empates e foi derrubado duas vezes, uma delas significou a quinta vitória consecutiva que Óscar De La Hoya ganhou como boxeador profissional em 1993.

Jeff Mayweather, apelidado de Jazzy, nasceu em Grand Rapids, Michigan, em julho de 1964. Ele fez sua estreia em 1988 e ganhou o título mundial para o OIB dois meses antes do trigésimo aniversário. Ele não tem lutas que estão em memória dos expectadores do boxe, como alguns de seus irmãos fazem: Floyd Sr. é lembrado por ter lutado com Sugar Ray Leonard em 1978, perdendo por nocaute na décima rodada. E Roger certamente nunca esquecerá essas duas noites, quando ele recebeu o castigo típico de Julio César Chávez que continua a celebrar os fãs mexicanos.

Mesmo com essa diferença entre os caminhos que seus irmãos e seu sobrinho tiveram no boxe, pelo menos como treinador, ele se considera igual ou melhor do que todos os outros. Mas ele geralmente não aparece, porque diz que a fama nunca o interessou. Na verdade, raramente ele pode ser visto ao lado de outra pessoa da família Mayweather, embora todos trabalhem no mesmo lugar: o Mayweather Boxing Club em Las Vegas, Nevada. E se por acaso eles posam para uma foto juntos, a maioria das pessoas não o reconhecem.

Jazzy, 51, a atração dos holofotes é indiferente, ele diz. Além disso, ele se atreve a dizer que alguém poderia tirar fotos e pedir autógrafos com todos os treinadores de sua academia, exceto para ele, e ele pode viver com isso sem nenhum conflito.

"Não importa. A coisa comigo é que eu nunca me importei com a fama, mas meu registro fala por si mesmo. Provavelmente é tão bom quanto o deles - meus irmãos - se não melhor ", diz Jeff em uma entrevista publicada pelo site oficial do Mayweather YouTube. "Eu não tenho que gritar que estou aqui. Se ninguém vier a mim para me dizer algo, tudo bem. Estou aqui para fazer minha contribuição para a história, nada mais ".

A razão pela qual Jeff não é afetada pela atenção desequilibrada disseminada pela imprensa e o público em geral entre seus irmãos, sobrinho e ele, é porque ele afirma ser totalmente sem ego. Lembre-se, por exemplo, que ele conseguiu contratar Mayweather Jr. em Top Rank e afirma ter aconselhado a carreira de seu sobrinho durante esses primeiros anos. E, embora seja um fato nulo e sem efeito, Jeff não se importa. "Eu não estarei entre aqueles que estão dizendo: você sabia que eu fiz isso e aquilo. Eu não ligo, eu sei o que fiz, e estou bem com isso".

Enquanto o pai de Floyd e Roger foram vistos constantemente aparecendo na câmera tentando degradar o trabalho de outros de seus colegas, que é o caso de Freddie Roach, Jeff Mayweather expressa a sensação de estar longe de ser o foco. Seu estilo era diferente quando ele lutou e é agora, porque ele, ao contrário de seus parentes, não usou a guarda sob a forma de um escudo, descansando a mão esquerda na altura da cintura, mas ele fez isso com uma postura ligeiramente mais ortodoxa, segurando os dois punhos. Seu modo de treinamento é dele próprio e não é destacado pelas rotinas chamativas que Roger ou o pai Floyd que geralmente correm com Mayweather Jr.

Além de dar pouca importância à baixa popularidade que comparou com o resto dos Mayweather, no negócio do boxe, Jeff mantém a posição de um homem completamente livre de qualquer inveja, e apesar de ter trabalhado com alguns campeões mundiais e mesmo alguns lutadores do UFC, garante dar prioridade ao seu trabalho sobre qualquer outra coisa.

"Há algumas coisas que eles fazem para treinar, e eu também. Mas basicamente eu me ensinei como treinar sozinho. Eu vou ao ginásio para trabalhar com meus lutadores, e é isso. Não há fama, nenhuma foto. Estou bem, estou feliz. Não sou amargo ou tenho animosidade contra qualquer um. A única coisa que eu realmente quero é o melhor para a minha família, e nada mais ".

 

(Texto traduzido)

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest