A maior instalação de Ron Mueck | Notícias | Curitiba | Jornale

A maior instalação de Ron Mueck

18/12/2017

Quando se trata de criar representações escultóricas resinosas do corpo humano, mostrando atenção obsessiva a cada poro e folículo, o artista australiano Ron Mueck revela o fator wow com peças perturbadoras e realistas como Dead Dad (1996) e Pregnant Woman (2002).

Mas esse é o artista contemporâneo internacionalmente mais bem sucedido da Mueck Australia? A National Gallery of Victoria diz "sim", e apoiou seu cavalo com sede em Londres, comissionando seu maior trabalho de instalação até o momento. Não só isso, o NGV comprometeu uma equipe de especialistas para ajudar Mueck a fazer o trabalho encomendado. Em seguida, a galeria adquiriu a peça ambiciosa para sua própria coleção permanente, usando fundos do lendário Felton Bequest, um presente monetário que pagou uma grande quantidade de compras de arte pela galeria desde a morte do benfeitor Alfred Felton em 1904.

O trabalho de Mueck é bíblico ou quantitativamente intitulado Missa, e foi concluído há apenas algumas semanas. Possui exatamente 100 calcanhares de fibra de vidro e resina, cada um medindo cerca de um metro de altura. O arranjo dos crânios, Mueck diz The Art Newspaper, pode ser reconfigurado sempre que o trabalho estiver instalado em um novo local. No NGV, a missa vai ver amanhã (15 de dezembro) como um destaque da trienal inaugural NGV (15 de dezembro a 15 de abril), que mostra o trabalho de 100 artistas e designers contemporâneos de 32 países.

A instalação ocupa uma sala das suntuosas galerias de pinturas europeias dos séculos XVII e XVIII do NGV. Mueck estava de volta a Melbourne para as duas semanas difíceis que levou para arrumar os crânios com a ajuda de guindastes elétricos. A colocação final do crânio dá a impressão de que eles já estavam empilhados cuidadosamente contra a parede traseira da galeria, mas que, devido à passagem do tempo ou a algum evento sísmico, deslizaram e rolaram um a um até se parecerem com um ensaio descuidado de crânios em cascata.

Em uma entrevista rara, Mueck conta The Art Newspaper que ele começou a Miss em seu estúdio do Reino Unido, onde ele esculpiu o crânio original de argila e fez alguns moldes de silicone que, em última instância, seriam usados para lançar várias cópias. "Porque o modelo de argila original é destruído no processo de moldagem, expulso um crânio mestre em resina para fazer moldes adicionais", diz Mueck. "Este crânio principal e os dois moldes foram enviados para a Austrália".

O NGV estabeleceu locais em torno de Melbourne, onde o resto dos crânios poderia ser produzido, em vez de enviar 100 crânios através dos oceanos. Depois que o NGV obteve uma oficina de fibra de vidro que poderia fazer as caveiras, Mueck viajou para Melbourne para trabalhar com elas no projeto. "O tempo sempre foi uma grande consideração e ficou claro que precisamos de uma equipe separada dedicada a limpar e acabar os moldes quando saíram da oficina de fibra de vidro", diz Mueck. "O NGV reuniu um grupo de técnicos do grupo de manipuladores de arte. Inicialmente, havia dois, mas essa equipe se expandiu para cerca de oito pessoas ".

O artista fez um pequeno modelo do espaço do NGV e organizou pequenos modelos de crânio nele, para mostrar ao final australiano quais eram seus pensamentos, de acordo com o curador da arte australiana no NGV, David Hurlston.

Em 2010, o NGV montou um show do trabalho de Mueck, que chegou à proeminência em 1997, graças à sua inclusão na exposição pioneira de Charles Saatchi, Sensation. As esculturas de Mueck são sempre menores ou maiores que o tamanho real. Na verdade, Hurlston está ciente de um único trabalho de vida de Mueck - um cão que já estava na coleção Lord McAlpine. Hoje o paradeiro é um mistério.

Mueck é um dos "grandes tesouros" da Austrália, diz Hurlston, acrescentando: "A história julgará (Missa) para ser uma aquisição realmente importante para a galeria".

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest