Não quero que ninguém me chame de campeão até que eu vença Max Schmeling | Notícias | Curitiba | Jornale

Não quero que ninguém me chame de campeão até que eu vença Max Schmeling

05/12/2017

“Todos nós que ficamos no centro das atenções dos ringues eram vagabundos. E cada um de nós arriscou o mergulho fatal em todos e a qualquer momento."- Max Schmeling

Entrando em sua primeira luta, em 19 de junho de 1936, no Yankee Stadium no Bronx, Nova York, Joe Louis, "The Brown Bomber", de Detroit, Michigan, por meio de LaFayette, Alabama, foi o mais aplaudido dos pesos pesados (ex-campeões). Ele parou de Primo Carnera. Ele nocauteou Max Baer. O próximo ex-campeão em linha foi Max Schmeling, o veterano grisalho de Klein Luckow, Mecklenburg-Vorpommern, na Alemanha.

Joe Louis tinha 24 anos e invicto com 24 vitórias. O histórico de Schmeling, de trinta anos, era 48-7-4. Max já fora do seu auge como boxeador, poucos lhe deram mais do que uma chance de ser o campeão, mas o “Black Uhlan of the Rhine”, um perdedor de 10: 1, "viu algo" que seus predecessores não viram.

Schmeling chocou o mundo naquela noite. Depois de administrar uma luta dolorida, ele lutou derrubou Louis às 2:29 da rodada 12.

Damon Runyon escreveu que Schmeling tinha "retomou seu caminho de volta sobre a trilha áspera de Hasbeenville".

Nat Fleischer foi menos sucinto, mas não menos poético. Foi para Schmeling "o fim de uma noite perfeita". Ele conseguiu onde outros falharam. Ele ganhou um nicho na história do boxe".

A vitória levou Schmeling a um herói nacional. Ele "lutou pela Alemanha e ganhou", escreveu Joseph Goebbels em seu diário. De acordo com o Leipziger Neueste Nachrichten, foi uma vitória sobre "arrogância e crueldade bestial". Schmeling foi declarado "o salvador da supremacia do boxe branco", ganhando do "Clay-Face", como Joe era conhecido na Alemanha.

Louis ganhou o título dos pesos pesados ​​um ano depois, nocauteando James Braddock. Foi uma vitória gratificante, mas como Louis disse: "Não quero que ninguém me chame de campeão até vencer Schmeling".

Com o surgimento do fascismo na Europa, uma realidade sombria, a revanche entre Louis e Schmeling teve implicações globais. A data era 22 de junho de 1938. O lugar era Yankee Stadium. Havia por volta de 70 mil fãs. "Todo o país maldito dependia de mim", disse Louis. Naquela primavera, Joe conheceu o presidente Franklin Delano Roosevelt, que sentiu o braço de Joe e disse: "Estamos dependendo desses músculos para a América".

No seu camarim antes da luta, Schmeling estava nervoso. "Nunca antes me senti tão sozinho", disse ele. No outro vestiário Jack Blackburn estava dando instruções finais ao campeão. "Não me faça um idiota", disse ele a Louis. "Dê a esse cara o espancamento de sua vida, mas rápido possível", "Não se preocupe", respondeu Joe. "Que Schmeling vai pensar que ele está lá com um tigre esta noite. Eu não vou voltar para a Ford para trabalhar, e você não vai voltar a vender suco de limão no Staten Island Ferry".

Louis não perdeu tempo em levar tudo de si para cima de Schmeling. Depois de vários golpes, ele deu dois ganchos curtos na parte de dentro da cabeça de Max, seguido de uma combinação de quatro “punch’s”. Schmeling recuou para as cordas onde ele tentou encobrir os golpes. Um grande gancho de esquerda dobrou Schmeling pela metade e Joe colocou vários socos de poder no corpo do desafiante. Um uppercut em Schmeling de 1-2 seguidos, que fe com que agarrasse as cordas superiores de apoio. Louis sentiu cheiro de sangue e foi movido pela morte. Ele pousou um direito para o corpo de Max. As pernas de Max se curvaram e ele soltou um grito. "Fiquei paralisado a partir desse ponto", disse ele.

Clem McCarthy para a audiência no rádio disse:

"Louis deu uma esquerda na cabeça de Max rapidamente! E disparou um direito duro para a cabeça de Max! Louis, um esquerdo no maxilar de Max! Um direito à sua cabeça! Louis com o antigo um-dois! Primeiro a esquerda e depois a direita! Ele conseguiu mais golpes nesta rodada do que em cinco rodadas da outra luta!"

Era um abate. Schmeling desceu duas vezes e duas vezes ele se levantou, antes de sair pela terceira vez.

"Direita e esquerda para a cabeça! A esquerda para a mandíbula! Um direito à cabeça! E Donovan está observando atentamente! Louis o mede. Direito ao corpo! A esquerda para a mandíbula! E Schmeling está para baixo! A contagem é cinco. . . seis, sete, oito. Os homens estão no ringue, a luta acabou em um nocaute técnico! Max Schmeling é espancado em uma rodada alucinante!"

O canto de Schmeling jogou a toalha. "Ele não era mais um homem", escreveu Paul Gallico. "Ele era uma coisa quebrada, de olhos de vidro, bobos e com olhos em lagrimas".

Quando a decisão foi anunciada, Max disse a Louis, "Joe, você é um verdadeiro campeão", antes de tropeçar em seu canto.

Louis pegou a vitória com força, mas permitiu-se um pouco de regozijo.

"Tenho certeza de que sou campeão agora", disse ele. "Acabei de bater nele, só isso. Peguei-o nas costelas e acho que foi talvez um golpe de sorte, mas cara, ele gritou! Eu pensei que era uma dama chorando".

Louis fraturou a vértebra de Schmeling. A caminho do Hospital Policlínico da 50th Street e da Oitava Avenue, em frente ao antigo Madison Square Garden, depois da luta, a ambulância dirigiu até o Harlem.

"Eu podia ouvir o barulho da multidão histérica", lembrou Schmeling. "O público deixava os bares e estavam comemorando nas calçadas. Em todo lugar estava cheio de celebrações e festa".

A música era doce, quase tão doce quanto a vitória de Joe sobre Max Schmeling.

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba - Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest