Estudo revela o vínculo entre tatuagens e raiva | Notícias | Curitiba | Jornale

Estudo revela o vínculo entre tatuagens e raiva

05/12/2017

Pessoas que têm tatuagens relatam níveis mais altos de agressão verbal e rebelião reativa - e quanto mais tatuagens elas têm, mais furiosas são elas, diz pesquisadores de comportamento humano.

Quando surgiu a notícia que Samantha Cameron, a esposa do primeiro ministro, tinha uma imagem de um golfinho tatuado no tornozelo, parecia que o vínculo entre tatuagens, agressões e rebeliões havia sido bem e verdadeiramente cortado.

Mas a pesquisa descobriu que pessoas com tatuagens relatam níveis mais altos de agressão verbal, raiva e rebelião. E quanto mais tatuagens eles têm, achou, mais irritadas e rebeldes são.

Cerca de um em cada cinco britânicos tem pelo menos uma tatuagem, e há salões de tatuagem em quase todas as cidades e cidades. O estereótipo do rebelde tatuado, ao que parece, estava desatualizado.

Mas o Prof. Viren Swami, da Universidade Anglia Ruskin, disse que sua pesquisa restaura o vínculo entre tatuagens e raiva. Na pesquisa realizada quando ele era professor de psicologia em Westminster, ele pediu a 378 adultos de Londres que relatassem o número de tatuagens que eles possuíam.

Os entrevistados foram então questionados em quatro traços disposicionais de agressão, incluindo agressão física e verbal, raiva e hostilidade. Isso incluiu pedir-lhes para avaliar o quanto eles concordaram com declarações como: "Com provação suficiente, eu posso bater em alguém".

A rebeldia foi avaliada em duas áreas: pró-ativa, que é a busca ativa de atividades rebeldes por causa da excitação; e reativa, a tendência de cometer atos sem premeditação em resposta ao desapontamento ou à frustração.

As perguntas para o primeiro incluíram: "Se você for solicitado particularmente a não fazer algo, você sente vontade de fazê-lo?" Para o último: "Se você for gritado por alguém em autoridade, você (a) fique brava e argumentar de volta; (b) tente evitar um argumento; ou (c) não está certo? "

Swami e sua equipe descobriram que os adultos tatuados tinham uma rebelião reativa significativamente maior em comparação com seus pares não marcados. Eles também descobriram que aqueles com tatuagens marcados mais altamente na agressão verbal e raiva, embora não nos outros dois traços de agressão.

O estudo também descobriu que as mulheres relataram níveis mais altos de todas essas características do que os homens.

Swami disse: "Uma explicação é que as pessoas que têm maior rebelião reativa podem responder a eventos decepcionantes e frustrantes, tatuados.

"Ou seja, quando esses indivíduos experimentam um evento emocional negativo, eles podem ser mais propensos a reagir perseguindo um ato que é visto como desafiador. O ato de tatuagem é percebido como rebelde, ou, em geral, tatuagens podem significar desafio ou dissidência.

"Por outro lado, não houve diferenças significativas entre adultos tatuados e não tatuados em rebelião proativa. É possível que essa forma de rebeldia, que seja hedonista e orientada por objetivos, esteja em desacordo com a dor e a permanência das tatuagens.

"Nós também descobrimos que os adultos tatuados apresentavam maiores pontuações de agressão em duas das quatro dimensões da agressão que medimos, a saber, agressão verbal e raiva".

No entanto, o relatório, que deve ser publicado na revista Body Image, acrescentou: "Sugeriu-se que a integração contemporânea da tatuagem está corroendo as diferenças entre adultos tatuados e não tatuados. Certamente, os dados atuais parecem suportar tal interpretação: apenas mais de um quarto da nossa amostra tinha pelo menos uma tatuagem e os entrevistados tatuados e não tatuados não pareciam variar em termos de dados demográficos básicos ".

 

 

 

Compartilhe no Facebook
Compartilhe no Twitter
Please reload

Destaques JORNALE
Please reload

Site de Notícias de Curitiba - Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

              redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest