TCE deve fechar parceria com a UFPR para produção de vacina anti-Covid

14/05/2021


Órgão estuda dar apoio financeiro à pesquisa



A partir da próxima semana, um grupo de trabalho do Tribunal de Contas do Estado do Paraná vai avaliar a possiblidade de o órgão de controle externo apoiar financeiramente a Universidade Federal do Paraná no desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19 que utiliza tecnologia essencialmente paranaense.


A possibilidade da parceria foi debatida nesta sexta-feira (14 de maio), em reunião por videoconferência entre o presidente do TCE-PR, conselheiro Fabio Camargo, e o reitor da UFPR, Ricardo Marcelo Fonseca. "Pela seriedade do processo, a importância do momento e a economia que estamos fazendo na Casa, acredito que poderemos contribuir com essa iniciativa que beneficiária toda a população paranaense", declarou Camargo, após ouvir o relato do reitor.


A vacina da UFPR, que atualmente está na fase pré-clínica, de testes em animais, utiliza uma bactéria - chamada Escherichia coli - já estudada há 20 anos pela área de Ciências Biológicas da universidade. Essa tecnologia permitiu a fixação de nitrogênio, substituindo fertilizantes químicos no cultivo de grãos.


O imunizante que está sendo desenvolvido, envolve a produção de partículas de um polímero biodegradável revestidas com partes da proteína spike, que é responsável pela entrada do coronavírus Sars-CoV-2 nas células. Essa proteína é produzida com o auxílio da bactéria Escherichia coli.


"É uma vacina de tecnologia simples, que usa insumos brasileiros, mais baratos e com excelentes resultados até aqui", declarou o reitor da UFPR. Segundo ele, o custo por dose ficaria entre R$ 5,00 e R$ 10,00 - cerca de 10% do preço das demais atualmente utilizadas no Brasil, que se inicia em R$ 70,00.


Para que a iniciativa se concretize, a universidade precisa de parceiros, especialmente para custear as fases clínicas dos testes, com humanos, que são mais dispendiosas. Ainda neste ano, a UFPR deverá solicitar à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a autorização para os testes em humanos.


"Nesse contexto trágico da pandemia, em que a universidade faz o possível, para salvar vidas, produzindo uma vacina, termos a solidariedade, a articulação e a parceria de entidades importantes, públicas e privadas, é estratégico", afirmou Fonseca. "A disponibilidade do Tribunal de Contas do Estado em caminhar junto conosco é motivo de muita alegria para a Universidade Federal do Paraná."


Ao se declarar sensibilizado pelo trabalho da universidade, o presidente do TCE-PR declarou: "Esta Casa pode colaborar com a sociedade neste momento de dificuldades, pela condição financeira saudável, obtida em 90 dias de absoluta economia".

Últimas Notícias