Futebol feminino ganha nova força no Brasil

23/12/2020


Investimentos na Seleção e em competições prometem resultados



Mesmo tendo uma das maiores jogadoras da história, Marta, eleita como a melhor do mundo por seis vezes, o futebol feminino brasileiro sempre enfrentou dificuldades em obter investimentos e valorização. Mas a nova política adotada pela CBF parece representar uma nova realidade para a modalidade no país.


Os resultados começaram a aparecer com a realização do último Campeonato Brasileiro, encerrado agora em dezembro, com a vitória do Corinthians por 4 x 2 sobre o Avaí Kinderman, de Santa Catarina.


O presidente da CBF, Rogério Caboclo, escolheu a ex-atleta Aline Pellegrino para o cargo de coordenadora de competições da Seleção e Duda Luizelli para coordenadora de competições e anunciou medidas que impactaram positivamente para a organização da modalide no País.


A equiparação das premiações das seleções masculina e feminina teve repercussão na imprensa internacional. "É uma decisão da nova direção da CBF que ganhou força", comenta Aline.


Outra sinalização importante da disposição da CBF em incentivar o futebol feminino foi a contratação da sueca Pia Sundhage para comandar a equipe nacional. Trata-se de umas das maiores técnicas da história da modalidade, com três medalhas olímpicas: duas de ouro com os Estados Unidos, uma de prata com a Suécia. Os resultados positivos já são evidentes, credenciando o Brasil como uma das forças mundiais, a exemplo do masculino.


“Hoje já temos outros nomes de mulheres nas comissões técnicas das categorias de base, nas seleções Sub-20 e Sub-17. Tudo isso mostra como a CBF tem o futebol feminino como um de seus pilares estratégicos dentro de suas ações”, destaca Aline, durante entrevista concedida para a Betway, sobre a nova organização do futebol feminino.


Mesmo ainda sem a presença de público, em função da pandemia, as competições femininas mostram sinais de que estão ganhando popularidade, com a chegada de novos patrocinadores, o aumento do número de clubes e o considerável aumento do número de transmissões televisivas da modalidade.


Os times femininos, no últimos brasileiro, passaram a usar os grandes estádios de seus respectivos clubes. Essa medida possibilitou a utilização do VAR (árbitro de vídeo) a partir das semifinais. Foi o primeiro campeonato nacional feminino a utilizar a tecnologia para auxiliar a arbitragem.


E essas ações já puderam ser observadas nesse histórico campeonato brasileiro que acabou com o título do Corinthians. Desde a chegada de patrocinadores fortes, a partidas sendo disputadas em estádios como a Arena Corinthians e o Allianz Parque, passando pela utilização do VAR a partir das semifinais. Primeiro campeonato feminino nacional do mundo a utilizar a tecnologia de vídeo!


Junto à chegada de Aline Pellegrino, foi anunciada a equiparação salarial de jogadores e jogadoras das duas seleções do Brasil. Uma ação tão importante que teve repercussão no mundo inteiro. Mais recentemente, foi lançado um uniforme exclusivo para a seleção feminina, sem as cinco estrelas no símbolo que representavam os títulos mundiais conquistados pelos homens.


O profissionalismo na gestão pode levar o Brasil é o projeto de levar à Seleção Brasileira ao topo e volte a ser favorita em sites de aposta esportivas online em qualquer posição que dispute, como nos tempos em que conquistou duas medalhas de prata nas Olímpiadas, como e um vice-campeonato mundial.


Publicidade

Últimas Notícias

banner_300x250_V2_01_vacina_portais.gif

17 de Janeiro de 2021

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

   CONTATO:

         E-mail: redacao@jornale.com.br

         CEL: (41) 9.9978-9956

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest