Deputado Soldado Fruet questiona a venda da Compagas e isenções fiscais

21/03/2022


Ele disse que continuará fiscalizando essas questões e, no caso da empresa de gás, atuará em defesa dos funcionários



O deputado estadual Soldado Fruet (PROS) reafirmou nesta segunda-feira (21) que “o governador Ratinho Junior (PSD) trabalha para uma dezena de multimilionários, esquecendo os paranaenses e o próprio Estado que, ao invés de se desenvolver, vem sofrendo um grande retrocesso”. Em discurso na plenária, o parlamentar citou que isso pode ser facilmente comprovado por alguns atos do chefe do Executivo, como a venda da Copel Telecom, as bilionárias isenções fiscais e os preparativos para a privatização da Compagas. Ele disse que continuará fiscalizando essas questões e, no caso da empresa de gás, atuará em defesa dos funcionários, indústrias e residências que necessitam de gás a preço justo e em defesa do Estado do Paraná, “que tem obrigação de manter a Compagas sob sua administração e controle”.


Segundo o Soldado Fruet, a Copel Telecom era líder do mercado de internet no Estado e única provedora de banda larga em muitos pequenos municípios que não têm atrativo financeiro para a compradora. Ele lamentou o uso do dinheiro da venda para pagar dividendos “a meia dúzia de acionistas, todos multimilionários” e disse que “torramos uma empresa forte e saudável para garantir mais dinheiro aos amigos do governo”. Para piorar, ressaltou, “o Estado agora precisa contratar a Copel Telecom para lhe prestar serviços, ou seja, em poucos anos, apenas o faturamento garantido pelo Estado, suas autarquias e empresas, pagará o investimento feito pelo feliz comprador”. Só o último contrato entre Governo e empresa passa de R$ 150 milhões.


O Líder do PROS também destacou que o governador já havia demonstrado seu grau de amizade com os grandes empresários através das bilionárias isenções fiscais. Como na última audiência pública o secretário da Fazenda, Rene Garcia, afirmou que não poderia divulgar os nomes das empresas beneficiárias por questão de sigilo fiscal, salvo se recebesse ordem judicial, o Soldado Fruet adiantou que deverá ajuizar uma ação para que essas informações se tornem públicas e todos os paranaenses possam saber quem recebeu os mais de R$ 20 bilhões em isenções concedidas em três anos de governo Ratinho Junior. "Diversos estados já divulgam os beneficiários de isenções fiscais, pois a Constituição Federal garante publicidade no caso do dinheiro público”, pontuou. Frisou ainda que não é contra isenção para atrair empresas, que geram empregos, mas com limites e contrapartidas sociais.


Para o Soldado Fruet, a movimentação para venda da Compagas é mais um ato onde o governador trabalha contra o povo e contra o desenvolvimento do Estado. “A empresa de gás tornou-se essencial para a industrialização do Paraná. Diversas grandes empresas dependem de gás canalizado para suas atividades e a venda da Compagas, nos moldes que vem sendo divulgados pelo Estado, ou acabará com a competitividade de mercado ou repassará aos consumidores um preço muito mais alto, em função da elevadíssima outorga que o Estado pretende cobrar, acima de R$ 500 milhões", avaliou, observando que o Governo de São Paulo privatizou sua empresa de gás sem cobrar outorga, mas exigindo investimentos para ampliar a rede de distribuição e o número de cidades beneficiadas e ainda manutenção ou redução de tarifas.


Ao finalizar o discurso, o deputado também repercutiu a matéria do jornal O Globo que revelou que 26 governadores propuseram reajuste salarial aos servidores estaduais neste ano, a maioria com índices ao redor de 10%, ou seja, repondo a inflação de 2021. “Apesar de o Paraná ser o quinto maior PIB do País, está em último lugar no ranking, pois concedeu apenas 3%. Outra vergonha que colocamos na conta do Ratinho Junior”, afirmou.

Últimas Notícias