Câmara mantém volta às aulas no dia 18 em Curitiba

09/02/2021


Proposta previa condicionar retorno à vacinação de professores



Por 23 a 11 votos, nesta terça-feira (9), os vereadores da Câmara Municipal de Curitiba (CMC) rejeitaram, em plenário, requerimento da bancada do PT que sugeria ao Executivo só autorizar a volta às aulas após a vacinação plena dos trabalhadores da Educação. A discussão aconteceu na sequência dos debates da véspera, quando a CMC pediu à Prefeitura de Curitiba que priorizasse emergencialmente os professores na campanha de vacinação, já que as aulas serão retomadas no próximo dia 18 de fevereiro.


“Não pode haver a banalização da vida”, defendeu Carol Dartora, líder do bloco PT-PV na CMC, e que assina o requerimento em nome da bancada do Partido dos Trabalhadores, composta por ela, Renato Freitas e Professora Josete. “A gente não pode cair na hipocrisia de dizer que a educação é importante e que os professores devem ser priorizados na vacinação, quando a gente sabe objetivamente que essa prioridade não existe, que não há previsão nem para a primeira, nem para a segunda dose. A gente sabe que não tem vacina. Não somos contra a volta às aulas, a gente não quer é mais mortes”, argumentou.


“Condicionar a volta às aulas à vacinação dos professores é impraticável e não foi feito em nenhum lugar do mundo”, rebateu Amália Tortato (Novo). Para a vereadora, a Secretaria Municipal de Educação (SME) teve um ano para se preparar para receber os alunos.

Últimas Notícias