BRDE intensifica ações sustentáveis para se tornar o primeiro banco verde do País

30/05/2022


Carro elétrico, placas fotovoltaicas, bicicletário para colaboradores e reciclagem de materiais



O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) intensificou neste ano as medidas sustentáveis para se tornar o primeiro banco verde do Brasil. A instituição adota ações que reduzem a emissão de gases do efeito estufa, com base no Inventário de Emissão de GEE realizado na agência paranaense em 2022 e divulgado neste mês de maio. Entre elas, está a utilização de veículo elétrico e a instalação de um sistema de geração de energia fotovoltaica na agência do Paraná, prevista para funcionar ainda neste ano.


“É um novo alinhamento que trazemos para o BRDE e que chamamos de comportamento verde. Desde 2019, nossa equipe trilha pelo planejamento estratégico, para que possamos nos tornar o primeiro banco verde do Brasil”, explica o presidente do banco, Wilson Bley Lipski.


A instituição propõe a transformação por meio de uma nova mentalidade. Uma das ações operacionais que refletem essa mudança foi a destinação, em 2021, de R$ 2,4 bilhões em financiamentos destinados a projetos, nos três estados do Sul, alinhados a pelo menos um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU). Os projetos representaram um investimento de R$ 762 milhões.


Esses recursos estão acessíveis nos macroprogramas Mais Sustentabilidade Ambiental e Mais Energia Sustentável, que a partir de agora exibirão um selo ODS para identificar em qual Objetivo estão enquadrados. Só no Paraná, no ano passado, foram mais de R$ 138 milhões em créditos foram liberados por estes dois programas.


Além do apoio a projetos sustentáveis, Bley destaca que as ações devem começar dentro da própria instituição. “O banco tem uma postura contemporânea de transformação e está fazendo mudanças que acompanham os novos tempos”, afirma. “Pensando na nossa responsabilidade social, estamos construindo um diálogo com a sociedade começando por atitudes próprias para inspirar pessoas nesse momento de transformação. A sustentabilidade e o pensamento verde passam a ser comportamentos do BRDE”.


MAIS PROJETOS – O carro elétrico, que já está em circulação, é resultado do programa VEM PR, uma parceria estabelecida entre o Governo do Estado, por meio da Superintendência Geral de Inovação, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) e a Fundação Parque Tecnológico de Itaipu (FPTI) no desenvolvimento de soluções tecnológicas em mobilidade. O veículo foi entregue dia 23 de maio, no Espaço Cultural BRDE – Palacete dos Leões.


Ainda na linha da mobilidade, há um projeto de um bicicletário moderno, que estimule novos meios de locomoção mais sustentáveis entre os colaboradores.


A fim de diminuir os impactos ambientais e seguir com o propósito de se tornar um banco verde, está prevista a instalação de um sistema de energia fotovoltaica para 2022, que contribuirá para a economia de energia elétrica consumida na agência paranaense. Também estão sendo instaladas lâmpadas externas com sensores fotovoltaicos.


As ações de mitigação contemplam, também, mudanças simples no cotidiano da empresa que trazem benefícios importantes e imediatos. Já houve, em anos anteriores, a substituição das lâmpadas da agência por LED e a atualização da frota própria com veículos novos e menos poluentes.


Outras medidas foram a instalação de cisterna e reservatórios elevados para reaproveitamento de água de chuva, a eliminação de uso de copos plásticos, a instalação de película termoisolante em vidros da recepção para redução do consumo de energia e a adoção do descarte seletivo de resíduos com lixeiras específicas por tipo de lixo.


Além disso, o BRDE criou, em Curitiba, a horta comunitária dos funcionários terceirizados, e tanto a agência quanto a Chácara da Associação têm bosques com diferentes espécies de árvores, o que também ajuda a neutralizar as emissões.


ESTUDO – O Inventário de Emissão de GEE de 2022 foi pautado nas emissões do período 2017 a 2021, abrangendo a agência do Paraná, o bosque e o Espaço Cultural BRDE, no bairro Alto da Glória, em Curitiba; o Barracão do BRDE no bairro Pinheirinho, também na Capital, e a Chácara da Associação de Funcionários, em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba.


O documento tem como objetivo identificar e quantificar as emissões de gases do efeito estufa, para guiar o desenvolvimento de ações mitigadoras que visem reduzir ou neutralizar o efeito desses gases no meio ambiente.


O estudo foi liderado pelo professor Carlos Sanquetta, da Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná, da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Foram analisadas três tipos de emissões: as provenientes de fontes que pertencem ou são controladas pela empresa em suas operações, como os veículos do BRDE e a refrigeração de ar da agência; as emissões da geração de eletricidade comprada e consumida pelo banco; e as decorrentes de atividades da empresa, porém, produzidas por fontes de fora da empresa, como viagens a negócios e deslocamentos.


Essa última é, segundo o inventário, a mais impactante fonte de gases do efeito estufa na agência. Os veículos próprios, as viagens aéreas e o consumo de energia elétrica também são emissores significativos.

Últimas Notícias