Ensino superior e os deslocamentos dos alunos da educação a distância

O ensino superior a distância vem mudando expressivamente no Brasil, devido à grande oferta de instituições e também, à possibilidade de deslocamento e disponibilidade financeira da população para arcar com os gastos relacionados aos cursos



Dados divulgados pelo IBGE apontam que em todo o território nacional, no que tange à oferta, as alterações foram significativas devido ao espraiamento de universidades públicas e privadas para além das grandes capitais e metrópoles, abarcando cidades médias. O estudo mostra que a atratividade também ocorreu em função da instalação de polos de Educação a Distância (EAD), ocasionando com isso uma nova modalidade responsável por deslocamento de frequência não diária na formação universitária. O que chama a atenção, são as distâncias percorridas pelos acadêmicos para acesso a cursos de nível superior, que apresenta comportamentos regionais distintos.


Desta forma, normalmente os deslocamentos na região norte são maiores, o Estado do Amazonas apresenta valores muito maiores que o segundo colocado. São 409 km, em média, o que destoa de outros Estados da região, como por exemplo, Acre, Pará, Mato Grosso e Roraima, que possuem médias muito semelhantes em torno de 180 km, segunda maior média de deslocamentos encontrados no País. A razão para deslocamentos maiores ocorre porque existem poucos destinos intermediários na busca por ensino superior naquele Estado. Por outro lado, Sergipe, Espírito Santo, São Paulo, Alagoas e até mesmo Rio de Janeiro, apresentaram as menores médias de deslocamentos, em torno de 50 km, além de Santa Catarina apresentar a menor média de deslocamento, com 45 km. Ou seja, as menores médias de deslocamentos podem ser explicadas devido à distribuição de centralidades intermediárias, evitando grandes deslocamentos em busca de cursos superiores.


Esses grandes deslocamentos a serem percorridos acarretam elevados custos reduzindo a efetivação do mesmo. Portanto, o estudo mostra que esse fato pode ser indicativo de limitação do ingresso em cursos superiores pela população residente em regiões onde o acesso exige distâncias maiores. O estabelecimento de polos educacionais EAD em diversos Municípios foi responsável pela desconcentração e interiorização do ensino, ampliando o acesso à educação formal em diferentes contextos espaciais, em face da diversidade regional brasileira. Assim, a expansão da educação superior foi impulsionada tanto pela criação de novas unidades de instituições de nível superior quanto pelo incentivo à educação a distância e a constituição de novos polos em centros urbanos, aumentando a oferta de matrículas nas instituições de ensino superior.


Concluo que outro fator considerado relevante e tido como significativo na última década, deve-se tanto ao crescimento quanto à valorização da modalidade EAD, que possui uma abrangência espacial maior que a da graduação presencial, indicando, portanto, uma tendência de maior capilaridade na oferta do serviço.


O processo de interiorização ampliou o acesso à educação formal em diferentes contextos espaciais, em face da diversidade regional brasileira, alcançando, diversos segmentos sociais.


Fonte: Grupo Uninter

20 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest