Hospital de Clínicas inicia testes com a vacina chinesa

Primeira dose foi aplicada nesta sexta-feira em voluntários



O Hospital de Clínicas, vinculado à Universidade Federal do Paraná (UFPR), realizou nesta sexta-feira (7 de agosto) as primeiras aplicações da vacina contra a Covid-19 no Paraná. Os testes fazem parte do estudo de uma das vacinas contra a doença que estão sendo estudadas nesse momento. A testagem está relacionada à parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo.


Chamada de Coronavac, a vacina é desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech. O governo de São Paulo, por meio do Butantan, firmou um convênio para a participação na fase 3 de testes em humanos. Ao todo, os testes da vacina chinesa contra a Covid-19 serão realizados no Paraná e em outros cinco centros de pesquisas de São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.


A estimativa é testar a vacina, no total, em nove mil pessoas. No Paraná, o Hospital de Clínicas fará a testagem em 852 voluntários. O grupo é composto por profissionais de saúde que estão na linha de frente no combate ao novo coronavírus. Metade deles receberá a imunização; a outra metade, placebo. "Este é um estudo. Ninguém sabe quem vai receber a vacina e quem vai receber o placebo", salienta Sonia Raboni, chefe da Unidade de Infectologia do Hospital de Clínicas e líder da pesquisa "Eficácia e Segurança da Vacina contra a Covid-19", desenvolvida na instituição.


O hospital recebeu, inicialmente, 20 doses da vacina chinesa contra a Covid-19. Cada voluntário vai receber duas doses da vacina, ou seja, 10 pessoas contempladas neste momento. A documentação desses voluntários será analisada nos próximos dias, assim como as primeiras aplicações. "Toda a documentação desse processo de vacinação é completado, vamos encaminhá-la ao Instituto Butantan e à empresa que é nosso monitor externo. Eles avaliam tudo e, se estiver tudo correto, liberam o centro de imunização para fazer a inclusão de novos participantes. Isto deve acontecer entre terça e quarta-feira da próxima semana", explica Sonia.


As demais doses da vacina contra Covid-19 devem ser enviadas ao Paraná por lotes durante um mês. A meta é avaliar de 40 a 50 voluntários por dia. Com isso, a equipe responsável pelos testes no Hospital de Clínicas espera finalizar a aplicação até o dia 10 de setembro.


Após este ciclo, os voluntários serão acompanhados por um ano. Mas, antes mesmo disso, existe a possibilidade de já reunir resultados suficientes para iniciar a vacinação em um grupo maior de pessoas. "Em outubro, devemos ter uma análise inicial de segurança dessa vacina, pelo menos a segurança imediata. Há possibilidade de, com essa análise parcial e ela sendo positiva, conseguir o registro da vacina. Com isso, há possibilidade de ser comercializada e distribuída pelo SUS no país", afirma a médica.


"Todo o processo de aprovação da entrada da vacina no Brasil, de aprovação de protocolo e de aprovação do convênio do HC com o Instituto Butantan foi acelerado, mas respeitando o protocolo necessário. (O estudo) vai contribuir muito, e mais rapidamente, para saber se a vacina é eficaz e segura, e para que depois seja liberada para o restante da população", conta Sonia Raboni.


Claudete Reggiani, superintendente do Complexo Hospital de Clínicas da UFPR, salienta que o convênio da instituição com o Butantan é de fundamental importância. "Somos um hospital que está atuando diretamente na mitigação da pandemia. Mas estar atuando com a possibilidade de prevenção é uma ação muito importante. Estamos sentindo o hospital como órgão de pesquisa, e não só para repassar ideias, mas fazendo pesquisa e acompanhando a evolução da Medicina", avalia.

28 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest