Comissão de Educação da Assembleia vai coletar sugestões sobre possíveis mudanças na Educação de Jov

Reunião com setores responsáveis aconteceu na manhã desta terça-feira (21)

A Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Paraná realizou uma telereunião, na manhã desta terça-feira (21), para debater o atual modelo da Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Paraná, que, em 2020, teve o cronograma readequado para semestral e a matriz curricular unificada. Com a participação dos deputados Hussein Bakri (PSD), Luiz Claudio Romanelli (PSB) e Professor Lemos (PT), do secretário de Educação Renato Feder e de representantes de várias entidades, o encontro discutiu formas de aprimorar as questões que foram surgindo a partir das mudanças implantadas neste ano.


Ficou acordado que os participantes irão encaminhar sugestões para a Comissão de Educação, que vai seguir debruçada sobre o tema para, na sequência, buscar um consenso com a Secretaria da Educação (SEED).


“É natural que toda mudança precise ser debatida e melhorada a partir das questões que vão surgindo com a sua aplicação na prática do dia a dia. E desde o início deste mandato, a Comissão de Educação tem se mostrado aberta ao diálogo, exercendo um papel de protagonismo e mediação entre a SEED, a APP-Sindicato e todos os demais atores envolvidos com o tema. Nosso objetivo sempre será que o Paraná oferte uma educação pública de qualidade nas escolas”, afirmou Hussein Bakri, que é líder do Governo e Presidente da Comissão de Educação da Assembleia.


Segundo o secretário Renato Feder, a pasta está sempre aberta ao debate na busca de tomar as medidas mais acertadas em prol da Educação do Paraná. “Nossa intenção é sempre fazer o correto, e a visão de todos que participaram da reunião pode e deve nos ajudar bastante. Vamos nos aprofundar no tema para atrair esses alunos que não puderam concluir o ensino na época adequada e, sobretudo, para atendê-los com qualidade. O objetivo é tomar as decisões mais democráticas e coerentes que for possível” declarou.


Modelo atual – Destinada a jovens e adultos que não puderam concluir os estudos na idade adequada, a EJA teve o cronograma readequado para semestral em 2020 e a matriz curricular foi unificada. Com isso, os estudantes agora podem concluir tanto a etapa do Ensino Fundamental quanto a do Ensino Médio em 2 anos. Além de seguir regras da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a SEED promoveu a mudança após detectar que os alunos da EJA levavam, em média, 5 anos para concluir cada etapa, o que resultava em grande incidência de abandono devido ao período prolongado.


Além disso, com a matriz unificada para este ano, todas as instituições que ofertam EJA passaram a ter as mesmas disciplinas, facilitando a continuidade dos estudos caso o aluno precise mudar de escola e também a organização dos professores para a escolha das aulas.


Os docentes, porém, dizem que os estudantes necessitam de mais flexibilidade na grade de ensino para adequá-la às suas disponibilidades de dias e horários, uma vez que a maioria trabalha. Eles sugerem ainda a volta da possibilidade de os alunos fazerem matrícula em disciplinas isoladas e de terem atendimentos individualizados.


“Temos verificado esses reflexos no dia a dia da EJA e, por isso, é importante esse espaço aberto pela Comissão de Educação para sermos partícipes do debate, de forma a garantir o acesso dos jovens e adultos à escola”, afirmou Hermes Leão, presidente da APP-Sindicato, entidade que representa professores e funcionários do ensino público estadual.


Também participaram da telereunião representantes do Departamento de Educação Profissional e EJA da SEED, do Conselho Estadual de Educação e do Fórum Paranaense de EJA.


Fonte: ALEP

22 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest