Nado artístico terá seletiva virtual fora d'água para torneio online

Treinos e campeonatos em piscina foram suspensos pelo mundo devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Seria possível praticar uma modalidade com o nado artístico na sala de casa? É o desafio que atletas da modalidade terão nesta quinta-feira (11), a partir das 10h (de Brasília), em uma seletiva online para definir a seleção que representará o Brasil em um campeonato da modalidade, também virtual, organizado pela União Americana de Natação (Uana), no próximo dia 20 de junho.


"É uma situação inusitada, diferente, que ninguém previa. Mas, a partir do momento que a Uana resolveu movimentar a comunidade do nado desta forma, a gente se mobilizou e criou uma seletiva nos mesmos moldes. As categorias obedecem a mesma divisão que já existe (infantil, juvenil, júnior e sênior), com exceção do masculino, que terá uma categoria só. Os movimentos serão avaliados com parâmetros e por juízes do nado artístico", explica à Agência Brasil o supervisor de Nado Artístico da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Maurício Pradal.


Os atletas serão analisados em dois movimentos. Entre as mulheres, burpee (flexão com salto) e posição de "Y" (a perna é erguida até ficar "colada" na orelha, seguindo requisitos de postura de ombros e pés). No masculino, chute de perna e flexão. Em cada gênero e categoria, será selecionado um atleta por habilidade ou um que representará o país em ambas. Clique aqui para ver o regulamento.


"O grande objetivo é movimentar a comunidade do nado e que todos se divirtam. Passamos orientações sobre tipo de roupa mais adequado, regras de posicionamento de câmera. Como faremos ao vivo e online, publicamos também requisitos mínimos de internet para os atletas se conectarem na plataforma", destaca Pradal.


Entre os mais de 70 inscritos segundo a organização, está Luísa Borges, integrante do dueto que disputará vaga na Olimpíada de Tóquio (Japão).


"Achei bem interessante porque nós, atletas, somos estimulados a competir. Falando por mim, que gosto de competir, penso que será positivo", conta à Agência Brasil a ganhadora do Prêmio Brasil Olímpico de 2019 no nado artístico, que defende o Fluminense e, desde o início da pandemia, tem realizado atividades caseiras acompanhada por técnicos do clube e do Time Brasil.


"As pessoas que já me orientavam na parte física continuaram me passando treinos específicos para casa. A gente continua tendo encontros [virtuais] com a Twila (Cremona, técnica do Fluminense e da seleção) e tentando se manter ativo. É bom para evitar a menor perda possível de rendimento", conclui Luísa, que representou o Brasil na Olimpíada do Rio de Janeiro, em 2016.


Fonte: EBC

29 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest