Hackathon do Governo busca soluções para o pós-coronavírus

A iniciativa é da Superintendência Geral de Inovação do Governo do Paraná e foi lançada nesta quinta-feira (16) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Com as mudanças trazidas pela pandemia do novo coronavírus, o futuro da sociedade ainda é incerto. Para buscar soluções que minimizem os impactos da crise no Paraná, o Governo do Estado promove o Hack pelo Futuro, um hackathon (maratona online) que busca alternativas, ideias inovadoras e soluções para a economia, o comércio, a educação, a saúde e o setor de serviços.


A iniciativa é da Superintendência Geral de Inovação do Governo do Paraná e foi lançada nesta quinta-feira (16) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, durante uma live com a participação do ecossistema de inovação do Estado. “Nossa preocupação é como vamos cuidar do futuro, já que a pandemia mudou a dinâmica do planeta e a concepção da sociedade está mudando, especialmente na questão econômica”, afirmou Ratinho Junior.


“O poder público atua para enfrentar essa situação, mas também busca novas ideias. O Hack pelo Futuro é para isso e busca por tecnologias e novas maneiras de pensar e fazer para fortalecer a sociedade e a economia”, ressaltou o governador. Contamos com o setor privado, com as boas ideias dos jovens e da academia para retomar a normalidade e, depois disso, voltar a crescer, a gerar emprego e a fomentar a riqueza local”, enfatizou.


SOLUÇÕES PRÁTICAS - O chefe da Casa Civil, Guto Silva, destacou que a prioridade é por soluções práticas que impactem no dia a dia dos cidadãos. “Precisamos trazer para dentro da estrutura do governo os ativos que estão sendo desenvolvidos no ecossistema de inovação”, disse ele. “Quanto mais colaboração e soluções desenvolvidas no hackaton, mais resultados efetivos poderemos oferecer para dar suporte para a sociedade”, afirmou.


PARTICIPATIVO - O Hack pelo Futuro é uma das iniciativas promovidas pela Superintendência de Inovação para enfrentar a crise. Além de encontrar soluções inovadoras para problemas causados por consequência do novo coronavírus, a proposta do órgão é também dar suporte a startups e empreendedores que tiveram seus negócios afetados durante a pandemia.


“Este projeto representa um ponto de partida para o que esperamos que seja um processo participativo contínuo, através do qual queremos desenvolver soluções colaborativas para os desafios apresentados pela sociedade”, afirma o superintendente de Inovação, Henrique Domakoski. “O Governo do Paraná trabalhará para garantir que as soluções tenham o maior impacto possível no Estado durante e após a crise da pandemia”, diz.


INSCRIÇÕES – A maratona acontece de 24 de abril a 1º de maio e será exclusivamente online, com as equipes trabalhando de forma remota. As inscrições começam nesta quinta-feira e seguem até a próxima quarta-feira (22), pelo site www.hackpelofuturo.com.br. A participação é gratuita e os melhores colocados serão premiados.


Além da Superintendência de Inovação, a maratona também é promovida pela Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro) e pela startup Panic Lobster. Também conta com a parceria da Founder Institute, que será responsável por toda a metodologia do hackathon, e de diversos parceiros do ecossistema de inovação do Estado.


BATE-PAPO – De acordo com Domakoski, o objetivo do Governo do Estado é ajudar a população a entender melhor o cenário atual da crise a fim de identificar oportunidades. Por isso, além do Hackathon, serão realizados bate-papos durante todo o mês de abril com profissionais do mercado, especialistas e personalidades sobre os desafios a curto e longo prazo.


TALKS AO VIVO - De 20 a 24 de abril, das 19h às 20h30, serão transmitidos pela internet talks ao vivo, com temas sobre educação, varejo, alimentação, saúde e entretenimento. O link será disponibilizado nas redes sociais do governo e no site www.hackpelofuturo.com.br. Ao longo do mês, serão divulgados novos bate-papos com temas diferentes.


COMO VAI FUNCIONAR – O hackathon é voltado para professores, estudantes, pesquisadores, profissionais das áreas de negócios, saúde, comunicação, marketing, UX/Design, desenvolvimento, programação, engenharias e finanças, entre outras.


Os participantes poderão escolher entre quatro categorias de atuação: Saúde, Sociedade, Economia e Cultura. Cada uma delas contará com desafios específicos, e as equipes deverão propor uma solução para eles.


As inscrições podem ser feitas individualmente ou como um time, formado tanto por uma equipe multidisciplinar ou mesmo por uma startup/negócio com solução pronta que se encaixe nos desafios. Quem se inscrever sozinho, será direcionado a uma equipe de acordo com seu perfil e a categoria que escolher.


No período de realização do hackathon (entre os dias 24 de abril e 01 de maio, os times terão que desenvolver e apresentar seus projetos, contando com mentoria especializada durante todo o processo. No final, todos os projetos serão avaliados por uma banca de jurados e serão publicados no dia 04 de maio.


PRÊMIOS - As três melhores soluções irão receber como premiação uma vaga para acelerar suas ideias na Founder Institute, em Curitiba, a maior rede de aceleradora de startups em fase inicial do mundo, que já acelerou mais de 4 mil empreendedores em diferentes países.


O hackathon também vai receber inscrições de estudantes que fazem parte do projeto We are all Smart (WAAS), organização que capacita jovens de regiões vulneráveis, mostrando como produzir e usar a tecnologia como ferramenta para solução de problemas. Esses jovens serão orientados e receberão mentorias da equipe WAAS durante todo o hackathon.


Fonte: AEN-PR

Últimas Notícias