banner_300x250_V2_01_vacina_portais.gif

Dooplace pretende transformar modelo de locação comercial

Startup reúne espaços de todos os ramos de atuação e permite reservas por hora



Já pensou em encontrar e reservar um local para atender clientes em poucos cliques? A experiência do compartilhamento de espaços também chegou à área profissional. A startup curitibana Dooplace desenvolveu uma plataforma gratuita para cadastro de salas, escritórios, consultórios e até cadeiras em salões de beleza que ficam livres em determinados períodos do dia ou da semana. Ideal para empreendedores, autônomos e profissionais liberais que precisam trabalhar, mas não podem investir em estrutura. Em crescimento desde de 2019, quando foi lançada, a plataforma está disponível para novos cadastros em todo o país.


A lógica já é conhecida. Ao acessar o site, os profissionais podem escolher o local mais adequado para as suas atividades, a região na qual necessitam desenvolver seus projetos ou atender a clientes e o período que pretendem reservar. Depois disso, é só partir para o processo de pagamento - que pode ser feito por meio de cartão de crédito ou boleto – e a aprovação do proprietário. Sem burocracia, pedidos de caução ou realização de contratos em cartório.


Entre as opções de espaços disponíveis estão consultórios médicos e odontológicos, salas para psicólogos, cadeiras de barbeiro e cabeleireiros, macas de estética e estúdios para tatuadores, salas de reuniões, mesas em escritórios de advocacia e agências de publicidade, além de uma infinidade de locais em todas as áreas de atuação.


No caso dos proprietários, é a oportunidade de rentabilizar o espaço enquanto ele não estiver em utilização. O cadastro é gratuito e a Dooplace cobra uma taxa de serviço de 6%, apenas se o local for reservado. Em contrapartida, a plataforma oferece um fundo garantidor, que cobre eventuais danos causados na propriedade.


Economia, acesso ao trabalho e geração de renda extra


De acordo com o Everson Gauer, diretor comercial da Dooplace, o objetivo é ocupar os espaços disponíveis pelas cidades, em horários determinados, e facilitar o acesso ao trabalho para empreendedores, autônomos e profissionais liberais. “Hoje, você pode reservar uma infinidade de coisas de forma digital e sem burocracia. O mesmo não acontece ao procurar um local para trabalhar e atender seus clientes ou desenvolver projetos. Há exigência de contrato, alvará, fiadores e depósito caução, que dificultam a atividade profissional”, explica.


Os preços são definidos pelos proprietários e na comparação com estruturar o próprio negócio Gauer é categórico. “A economia é muito maior. No caso dos dentistas, por exemplo, somente uma cadeira odontológica custa mais de R$ 12 mil, sem contar os demais materiais de trabalho, o aluguel, energia elétrica e água. Todo esse dinheiro pode ser economizado, investido em outras áreas ou, até mesmo, na própria carreira”, exemplifica. O mesmo vale para os proprietários. “Você investe em uma estrutura completa e não a utiliza em determinados períodos, mas, nem por isso, seus gastos diminuem. Portanto, quando o local estiver livre, por que não rentabilizá-lo ao compartilhar com outros profissionais do mesmo ramo que você?”, finaliza o diretor comercial.

26 de novembro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Contato

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: 41.8713-4418

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest