Que tal visitar museus sem sair de casa?

Hoje podemos contemplar diversos museus espalhados pelas regiões brasileiras, sem sair de casa.

Freepik

Se você já foi em um museu com obras do gênero natureza-morta, talvez tenha se perguntado: “Afinal, por que esse nome?” A origem do termo vem da palavra holandesa stilleven, que na língua inglesa seria traduzido por still-life (vida inerte, em tradução livre), mas, que no fundo pode ser interpretada como “um conjunto de objetos da natureza (como frutas e legumes) ou feitos pelo homem (como tapetes, garrafas, facas, etc) que são inertes, parados, aptos a serem vistos e representados por um artista”.


Esse gênero artístico é até hoje utilizado como meio de representação e estudo em muitas universidades e escolas de arte pelo Brasil afora. Inicialmente, não havia uma pretensão do artista em querer criar um conceito, ou mesmo de querer representar uma narrativa sobre o tema. Assim como é do interesse dos estudantes de artes atualmente, o artista barroco, que pintava pelos anos de 1600, acreditava que o gênero de natureza-morta era uma boa oportunidade para se aprender desenho e pintura. Havia, portanto, uma busca pelo aprimoramento de cores e texturas, formas e espaço, ou seja, o artista buscava em um gênero de fácil acesso dominar a linguagem.


Hoje podemos contemplar esse gênero pictórico em diversos museus espalhados pelas regiões brasileiras, sem sair de casa. Com alguns cliques no mouse e minutos dedicados na frente da tela do computador, o internauta pode visitar diversas coleções artísticas espalhadas pelo mundo ou, se preferir, pode viajar pela cultura diversificada e rica do nosso país.


Por exemplo, se você quiser, poderá acessar a plataforma do Google Arts e Culture, e por meio dela, poderá acessar o acervo da Pinacoteca do Estado de São Paulo sem sair de sua casa. A Pinacoteca possui um dos acervos mais importantes das artes produzidas no Brasil. O edifício está localizado no Jardim da Luz, no centro da cidade de São Paulo, e conta com pinturas de relevância para a história nacional, como é o caso da natureza-morta “Bananas e Metal” — quadro produzido em 1887 por Pedro Alexandrino (1856 – 1942), tido pela crítica como o pintor de naturezas-mortas mais importante do país entre o final do século XIX e início do século XX.


A plataforma do Google Arts e Culture possibilita ao internauta dar zoom nas obras de artistas, a tal ponto que chega a ser possível inclusive notar as ações de restauro e intervenções sofridas.


Além do vasto acervo brasileiro, a Pinacoteca já trouxe para o público artistas contemporâneos de renome no cenário internacional, como Ron Mueck, em 2015, que expôs uma reprodução hiper-realista de um frango em tamanho ampliado em uma das salas do museu.


Agora, você que está longe de museus poderá por meio das tecnologias da informação e comunicação (TICs) usar plataformas como o Google Arts e Culture para se apropriar de um material vasto e riquíssimo sobre a cultura de nosso país.


Autor: André Luiz Pinto dos Santos é professor especialista nos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Artes Visuais do Centro Universitário Internacional Uninter.

20 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest