Parque Nacional do Itatiaia representa um marco na história da preservação ambiental

O nome Itatiaia deriva do tupi-guarani, tendo como significado mais aceito o de pedra cheia de pontas.

O Parque Nacional do Itatiaia foi criado por decreto do presidente Getúlio Vargas em 1937, pioneiro no País e tombado pelo Patrimônio Histórico, sendo considerada uma das maiores reservas da fauna e da flora nacional. São mais de trezentas espécies de aves, entre tucanos, beija-flores, tangarás e sabias-laranjeiras e mais de cem mil espécies de insetos. A maioria em exposição no Museu da Flora e da Fauna, antiga residência do Visconde de Mauá.


O acervo do museu ainda tem mais de duzentas mil espécies de animais entre répteis e mamíferos. Na biblioteca, importantes obras raras e documentos são oferecidos como apoio à pesquisa e atraem cientistas e estudantes de todo o mundo, ressalta Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News.


Localizado no Maciço do Itatiaia, o parque situa-se a sudoeste do Rio de Janeiro e ao sul de Minas Gerais. O acesso é através de Engenheiro Passos, distrito de Resende, Km 318 da Via Dutra. O nome Itatiaia deriva do tupi-guarani, tendo como significado mais aceito o de pedra cheia de pontas.


O frio na região pode chegar a quinze graus negativos. Compreendem doze mil e quinhentos hectares de muito verde, montanhas, cachoeiras, rios e córregos que desaguam no rio Campo Belo.


Nesta mais antiga reserva ecológica do País se encontra o belíssimo Lago Azul e a cachoeira Véu de Noiva, uma queda de água de trinta metros de altura. Igualmente bela e, também muito procurada pelos banhistas, é a cachoeira Itaporani com três quedas d’água de 10 a 12 metros de altura, e uma piscina natural.


Destacam-se ainda, a Cachoeira Poranga, Cachoeiras do Piturendaba e a do Pitu de Baixo.


Coroando a magnífica paisagem do parque, o Pico das Agulhas Negras, a 2.287 metros de altitude , a quarta maior altitude brasileira e o das Prateleiras, que termina num planalto com visão panorâmica da Serra da Mantiqueira.


Os estudiosos garantem que só existem quatro montanhas no mundo com as características do planalto. Nas formações rochosas inusitadas se identificam formas de gigante, de tartaruga, de maçã e de pedra sentada, salienta Vininha F. Carvalho.


Os graus de dificuldade nas caminhadas variam. Pode-se ir em duas horas e meia até a Pedra do Altar ou ao ponto máximo onde fica o Cruzeiro. Entretanto, o maciço só é acessível a montanhistas com prática, pois a escalada é difícil, exigindo preparo físico, conhecimentos técnicos e equipamentos adequados.


O visitante poderá ainda, conhecer o Relógio de Sol, construído na Inglaterra, em 1925, é regulado em função das estações do ano e da incidência da luz solar sobre seu mecanismo e o Orquidário Simon, sede do Orquidário Sul Fluminense, vendendo plantas em flor e mudas.


Através de seminários de turismo ecológico realizados no Parque Nacional do Itatiaia, é ressaltado o fato de que, em sendo um polo turístico, onde a principal atração é a natureza, torna-se fundamental manter uma capacidade de visitação que não traga danos ao ecossistema. "Preservar é a meta a ser atingida , pois as futuras gerações merecem conhecer esta maravilhosa paisagem", conclui Vininha F. Carvalho.


https://www.revistaecotour.news

Fonte: dino.com.br

22 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest