Cantora Beth Carvalho morre aos 72 anos

Sambista estava internada desde o começo do ano



Antes de ganhar o epíteto de Madrinha do Samba, Beth Carvalho cantou jazz, bossa nova, toada, forró, canção de protesto, música de festival. Mas o chamado das rodas e dos terreiros, do som dos subúrbios e dos botequins, bateu-lhe mais forte nas veias.

A sambista morreu nesta terça-feira (30), aos 72 anos, no Rio de Janeiro. Desde o início do ano, estava internada no Hospital Pró-Cardíaco. A causa da morte não foi informada.

Em 1972 ela resolveu procurar Nelson Cavaquinho e cavar um samba inédito. Aos 26 anos, ainda com rostinho de menina, teve de vencer o medo que sentia daquele homem de pele azeitonada, cabelos prateados e olhos de peixe morto, que podia ser um grosso ao tratar com as pessoas, e estava sempre ou tocando violão ou levantando copos.

Ganhou “Folhas Secas”, gravada no LP “Canto por um Novo Dia” (1973), o primeiro inteiramente dedicado ao samba.

“Folhas Secas” – que também teve um registro de Elis Regina na mesma época e acabou criando uma rusga entre as duas cantoras – virou um clássico instantâneo na voz de Beth. Assim como o samba-canção “As Rosas Não Falam”, de Cartola, garimpado para o disco de 1976, “Mundo Melhor”. No ano seguinte repetiu a dose com o mesmo compositor, gravando a obra-prima “O Mundo é um Moinho”, última faixa de “Nos Botequins da Vida”, um de seus melhores trabalhos.

Àquela altura, Beth Carvalho era uma sambista batizada e crismada, queridíssima no meio, respeitada tanto na Mangueira (sua escola do coração) como na rival Portela, com olho clínico para descobrir pepitas desconhecidas do grande público. E com memória de HD para guardar zilhões de músicas na cabeça.

Em 1974, o estouro de “1800 Colinas”, de Gracia do Salgueiro, indicou o caminho: “Ó Deus, eu preciso encontrar meu amor/ Pra matar a saudade que quer me matar”. Quem hoje escuta essa gravação quase amadora em recursos técnicos, realizada na nanica Tapecar, tem a certeza de que Beth foi uma genuína sambista – sofisticada e ao mesmo tempo de enorme apelo popular.

22 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest