Fazenda de João de Deus revirada após ser alvo de vandalismo

Médium foi denunciado por violação sexual e estupro de vulnerável



Fotos divulgadas neste sábado (29) pelo gerente de uma das fazendas de João de Deus, preso e denunciado por abusos sexuais durante tratamentos espirituais, mostram o local revirado após ser invadido e vandalizado, em Anápolis, a 55 km de Goiânia. O caso foi registrado na Polícia Civil como um crime de dano e é investigado pela corporação. O médium está preso no Núcleo de Custódia do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

O advogado Ronivan Peixoto, que já representou o líder espiritual em outras ocasiões, foi quem registrou a ocorrência em uma delegacia da cidade. Ele contou que recebeu as fotos do gerente da fazenda, que encontrou o local arrombado e queria saber o que fazer.

“Ele chegou, viu a porta aberta e tudo revirado, fez as fotos e me mandou. Depois me ligou querendo fazer o que fazia. Tentei entrar em contato com a polícia em Goiânia para saber se havia tido alguma diligência no local, não consegui. Depois fomos à delegacia, recebi o retorno de que não havia tido nenhuma busca na fazenda e, por tanto, teria ocorrido uma invasão, mas um fato que motivou registrarmos esta ocorrência”

“A princípio, o caseiro não teria percebido a falta de nada, só tudo revirado como se alguém estivesse procurando algo que não encontrou. Mas uma perícia da polícia deve apurar tudo direitinho”, disse.

O caso aconteceu na quarta-feira (26), na sede da Fazenda Agropastoril Dom Inácio, que fica no distrito de Sousânia, em Anápolis. Segundo consta no registro de ocorrência, o homem mora na propriedade, mas a 4 km da cidade.

De acordo com o relatório da polícia, o gerente informou que ao chegar à casa do médium na propriedade, viu que a porta dos fundos da casa tinha sinais de arrombamento e que todos os móveis estavam revirados e foram feitos atos de vandalismo, como “sofás rasgados, guarda roupas tiveram fundos quebrados, a banheira teve o suporte quebrado, todos os objetos dos quartos, cozinha e sala foram jogados no chão e todos os quadros foram retirados da casa”.

Ainda de acordo com os relatos do gerente da propriedade à corporação, não houve arrombamento nos cadeados das porteiras, mas havia sinais de manobras de carro na entrada.

24 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest