Justiça acata denúncia contra sete suspeitos da morte de jogador Daniel

MP pediu indiciamento por homicídio triplamente qualificado


A juíza de São José dos Pinhais (região metropolitana de Curitiba), Luciane Regina Martins de Paula, acatou a denúncia contra sete suspeitos de terem participado da morte do jogador Daniel Corrêa de Freitas, no último dia 27 de outubro. Os acusados, que agora passam a ser réus, vão responder por homicídio triplamente qualificado, fraude processual (por terem mentido em depoimento) e ocultação de cadáver. Todos os acusados estão sob prisão preventiva. O empresário Edson Brittes Júnior vai responder também por corrupção de menor e coação de testemunhas. A esposa dele, Cristiana Brittes, embora não tenha participado diretamente das agressões, está sendo acusada por homicídio qualificado por motivo torpe, uma vez que não impediu o crime. De acordo com os depoimentos, ela apenas pediu para que não matassem a vítima dentro da casa. A filha do casal, alana Brittes, responde por coação no curso do processo, fraude processual e corrupção de menor. Além da família, viraram réus Eduardo da Silva – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor; Ygor King – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual e corrupção de menor; David Willian da Silva – homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver, fraude processual, corrupção de menor e denunciação caluniosa e Evellyn Brisola Perusso - denunciação caluniosa e falso testemunho. A juíza também determinou o sigilo das fotografias que fazem parte do laudo de necropsia e de exame pericial do local da morte, dos dados das testemunhas sigilosas, e principalmente o endereço. O advogado da família Brittes, Cláudio Dalledone, contestou a denúncia apresentada pelo Ministério Público do Paraná. O defensor afirmou que a denúncia é a “melhor peça de defesa” no processo de Edison Brittes Júnior. “No momento em que o promotor assume que foi um ato de justiçamento, é obrigado reconhecer que do outro lado há um ato injusto. Nem ele tem convicção do que está tentando propor e fazendo crer em juízo”, disse Dalledone. De acordo com Dalledone, o jogador foi o causador da tragédia ao tentar o estupro contra a esposa de Brittes. Daniel pertencia ao São Paulo, esteve emprestado ao Coritiba em 2017, quando estabeleceu relações pessoais na cidade e estava emprestado, neste ano, para o São Bento de Sorocaba. Ele foi assassinado no dia 27 de outubro em São José dos Pinhais e encontrado com o órgão sexual mutilado em uma área rural.

27 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest