banner_300x250_V2_01_vacina_portais.gif

Acampamento pró-Lula é desmontado em Curitiba

Segundo os manifestantes, decisão é medida de segurança



Um acampamento de apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nos arredores da Polícia Federal do Paraná, onde o petista está detido, foi desmontado no final de outubro, cerca de duas semanas atrás. Segundo os manifestantes, a decisão de encerrar o acampamento foi tomada por "medida de segurança". "Já sofremos sete atentados e respondemos a quatro processos judiciais, ainda hoje sofremos diversas ameaças, e, por cortes de gastos e por número reduzido de pessoas, o acampamento opta em transformar a luta do espaço físico fixo para uma luta itinerante e virtual", informou a organização do acampamento. Outros grupos, porém, permanecem mobilizados na região, em protesto contra a prisão de Lula, que eles consideram um prisioneiro político. O acampamento ficava em um terreno a cerca de um quilômetro da sede da PF, em Curitiba. Batizado de Acampamento Marisa Letícia, o local concentrava militantes que protestavam contra a prisão do ex-presidente, condenado pelo juiz Sergio Moro por corrupção e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato. Na época em que Lula foi detido, em abril, manifestantes acamparam durante semanas em volta da PF. Com o tempo, o grupo se concentrou no terreno. Desde o início, houve relatos de episódios de violência e ameaça. Em abril, duas pessoas ficaram feridas após um ataque a tiros. Membros também relataram uma tentativa de atropelamento. Os episódios ainda são investigados pela Polícia Civil do Paraná. Mais recentemente, uma das organizadoras do acampamento, Edna Dantas, que foi candidata a deputada estadual, foi detida pela PM durante protesto nas comemorações do Sete de Setembro, em Curitiba, mas liberada a seguir. Com a desmobilização do acampamento, o principal ponto de encontro dos militantes é a Vigília Lula Livre, num terreno alugado em frente à sede da PF. Lá, são realizadas atividades culturais e políticas diárias. O local tem uma cozinha comunitária, uma biblioteca e sobrevive de doações. Os manifestantes, porém, não dormem no terreno. "A Vigília Lula Livre prossegue na resistência com atividades diárias em defesa do julgamento justo e da ampla defesa para o ex-presidente Lula", informou o grupo, em nota.

29 de novembro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Contato

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: 41.8713-4418

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest