Após eleições, WhatsApp vira canal de exaltação a Bolsonaro

Opositores continuam sendo alvo de ameaças



As correntes de WhatsApp continuam circulando com desinformação, e vão de incentivo a perseguição a professores até alertas sobre uma suposta dominação comunista. Após a vitória de Jair Bolsonaro (PSL), a deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL-SC) pediu em suas redes sociais que estudantes denunciassem professores que fizessem "queixas político-partidárias em virtude da vitória do presidente [Jair] Bolsonaro". No dia seguinte, Campagnolo, que é professora de história, postou em suas redes sociais uma foto com aluno em sala de aula vestindo uma camisa com o presidente eleito e as cores da bandeira nacional. A atitude da deputada se espalhou pelo Brasil, surgindo o mesmo tipo de campanha para dedurar professores em Recife e Juiz de Fora. A situação em faculdades públicas também virou alvo de preocupação das correntes. Um vídeo-manifesto de 13 minutos alerta para uma suposta situação em que drogas "são vendidas por funcionários narcotraficantes" para alunos, que são obrigados a participarem de festas e a usarem drogas, se não são taxados de "fascistas, canalhas e safados". O manifesto ainda diz que nestas faculdades, se você não vota no PT seria espancado. O vídeo-manifesto também existe em formato de texto. O autor, que diz que não pode se identificar, questiona: "você já percebeu que quem mais fala da ditadura é a esquerda?". "E os professores [...] falam do Karl Marx como se ele fosse o Batman. O socialismo é ótimo, não para eles, com carrões, apartamento em área nobre e filhos estudando no repressor Estados Unidos". Por fim, afirma que é necessário "fazer com essa repressão e doutrinação acabe". Outros conteúdos que se tornaram constantes no aplicativo de conversa são comparações entre as posturas de Jair Bolsonaro e petistas. O presidente eleito tem sido retratado no WhatsApp como uma pessoa humilde, que corta o cabelo em lugares simples, enquanto Dilma Rousseff e Fernando Haddad gastavam fortunas para mudar o visual.

19 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest