Editora Abril entra com pedido de recuperação judicial

Empresa acumula dívidas que passam de R$ 1,6 bilhão

O Grupo Abril entrou com pedido de recuperação judicial nesta quarta-feira (15), quatro semanas depois de entregar sua gestão à consultoria de reestruturação Alvarez & Marsal. Em comunicado, justificou a decisão afirmando que busca "proteção judicial para a repactuação do seu passivo junto a bancos e fornecedores e, dessa forma, garantir sua continuidade operacional". Segundo a própria Abril, a dívida é de R$ 1,6 bilhão. Só no ano passado, o prejuízo foi R$ 332 milhões. No cargo desde o dia 19 de julho, quando substituiu Giancarlo Civita, da família controladora, o novo presidente do grupo, Marcos Haaland, que é diretor-executivo da consultoria, comandou cortes de pessoal e de títulos. No grupo todo, foram dispensados ao longo da última semana cerca de 800 funcionários, segundo a Abril. Entre eles, 150 são jornalistas, segundo o sindicato da categoria em São Paulo. As primeiras demissões foram realizadas no dia 6. O pagamento das primeiras rescisões seria feito até esta quinta-feira (16), mas agora elas entram na dívida total. De acordo com o sindicato, deverão ter prioridade. O comunicado do grupo informa que o pedido de recuperação abrange "todas as companhias operacionais, incluindo a Abril Comunicações e as empresas de distribuição de publicações e de encomendas", respectivamente, Dipar e Tex Courier. A Abril Comunicações reúne agora 16 títulos, entre revistas como Veja e sites como M de Mulher, que sobreviveram aos cortes.

28 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest