Filme Águas Selvagens inicia filmagens, em coprodução com a Argentina

Locações de parte do filme são em cidades do Paraná

Desde o dia 15 de julho, teve início o período de filmagens do longa-metragem “Águas Selvagens” uma coprodução entre o Brasil e a Argentina, com elenco formado por atores brasileiros, argentinos e uruguaios. Nas primeiras semanas, as filmagens concentram-se em Curitiba e cidades próximas da capital paranaense, como Tijucas do Sul, estendedo-se semanas depois até Foz do Iguaçu e à capital portenha, Buenos Aires. Do lado brasileiro, a produção é Rubens Gennaro e Virginia Moraes, da Laz Audiovisual, empresa de Curitiba que produziu filmes como “Oriundi” (de 2000, estrelado por Anthony Quinn) , “Cafundó” (2005) e “Anita e Garibaldi” (2013). Pela Argentina, a produção é da Cooperativa Romana Audiovisual, de Buenos Aires. No histórico de filmes coproduzidos entre Brasil e Argentina, “Águas Selvagens” é o primeiro que conta com uma produtora do Paraná. A direção é do argentino Roly Santos, experiente nome da atual geração de cineastas do país, que dirigiu filmes de ficção, documentários e séries como “Hola India” (2014), “Manos unidas” (2012) e “Crisol” (2011), além do inédito “Dedalo”. A história de “Águas Selvagens” é uma trama policial adaptada do romance “El Muertito”, do autor, roteirista e diretor argentino Oscar Tabernise, que também assina o roteiro. Falado em espanhol, o filme reune atores brasileiros, argentinos e uruguaios, com rostos conhecidos na TV e no cinema. O protagonista é vivido por Roberto Birindelli, uruguaio radicado no Brasil. No núcleo central da trama também estão as atrizes brasileiras Mayana Neiva e Leona Cavalli. Entre os demais atores estão os argentinos Juan Manuel Tellategui, Mario Paz, Daniel Valenzuela e Mausi Martinez; o uruguaio Nestor Nuñez; os brasileiros Allana Lopes, Luiz Guilherme, Hélio Cícero, Giuly Biancato, entre outros. Na história do filme, Lucio Gualtieri (Roberto Birindelli) é um ex-policial investigador que enfrenta problemas em sua vida pessoal e aceita um trabalho mediano para solucionar um crime qualquer cometido na tríplice fronteira, zona de águas selvagens. Porém, ao chegar, vê-se envolvido em uma trama macabra de assassinatos, prostituição e tráfico de menores. Ao saber da verdade sobre uma organização criminosa, ele passa a ser perseguido. A chave para escapar dessa máfia é o túmulo de “El Muertito”, tido como uma espécie de santo local. As filmagens têm duração de um mês, estendendo-se até 15 de agosto. A previsão de lançamento comercial é para 2020

24 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest