Arte Urbana na Índia transforma, mas não intervém na miséria do povo

Muitas estações indianas são um microcosmo da miséria que aflige a paisagem urbana (para o turismo). Mas tudo isso está mudando, em uma explosão de pássaros, tigres e estátuas budistas


Foto - Estação de metro de Bangalore


Na Índia, 23 milhões de pessoas viajam diariamente pelas ferrovias, e as estações estão cheias de vida. Os passageiros mais pobres não passam pelas estações apenas - eles dormem nelas, preparam refeições em fogões à querosene, comem e lavam nas plataformas enquanto esperam por trens ininterruptamente atrasados. Como resultado, muitas estações indianas se tornaram em um microcosmo da miséria que aflige grande parte da paisagem urbana na Índia.Mas alguma coisa está mudando. Existem agora 80 estações (e algumas estações de metrô) em toda a Índia, onde cada uma pulsa com cores e imagens. Indianos, que estão abaixo da linha da miséria, que normalmente nunca entram em uma galeria de arte encontram agora novas artes de artistas locais ou formas de arte tradicionais que foram ameaçadas de extinção diariamente. Foto - Estação de trem de Bharatpur perto do santuário de pássaros.



Foto: Abhishek Bhatnagar / WWF Índia


O movimento começou em 2014, quando o conservacionista e especialista em tigres Valmik Thapar se perguntou por que a estação Sawai Madhopur, que fica perto do parque nacional de Ranthambore, lar do tigre, não poderia ser decorada com tigres. Por que as pessoas que visitavam o santuário de pássaros de Bharatpur não saíram do trem para serem recebidas com murais de pássaros? Por que a estação de Bhubaneshwar, conhecida por seus crocodilos e estátuas budistas, não reflete essa herança?Thapar contatou as autoridades ferroviárias e, com a ajuda do World Wildlife Fund, as estações começaram a “mudar”. Os olhos de tigre agora seguem você pela estação de Sawai Madhopur. Com algumas pinceladas, um depósito decrépito tornou-se um museu de arte pública ao ar livre (Para quem?). Foto - Estação Ferroviária de Bharatpur.



Foto: Abhishek Bhatnagar / WWF Índia


“Estou visitando Ranthambore há 30 anos. A linda obra de arte é a melhor coisa que aconteceu com a cidade”, diz Hema Maira, uma professora aposentada de Nova Déli que viaja frequentemente para ver os tigres. “As imagens captam a essência do parque e seus habitantes mais famosos.

QUER VER MAIS DE SOBRE ARTE? CLIQUE AQUI

”O projeto ferroviário faz parte de uma revolução mais ampla de arte de rua instigada em 2014 por um grupo de Mumbai chamado St + art India Foundation que transformou a antiga Sassoon Docks em Mumbai e o bairro Lodhi Colony em Nova Delhi na primeira arte pública do país. (Brigitte Macron, esposa do presidente francês, fez questão de visitá-lo durante uma visita em março.)



Foto - Estação de Andheri em Mumbai. Foto: ONG Mumbai First


"O que temos tentado alcançar é uma liberdade não apenas para os artistas, que podem ganhar uma tela mais ampla, mas também para aqueles que poderiam apreciar a arte que nunca tiveram acesso de outra forma", diz St +. co-fundador de arte e diretor criativo Hanif Kureshi.As pessoas comuns muitas vezes ficam chocadas com o tamanho e a escala dos murais, que incluem uma imagem maciça de Mahatma Gandhi na fachada da estação de Churchgate, em Mumbai. "Eles acham que é um anúncio e algum idiota esqueceu de colocar o logotipo da empresa nele", diz Kureshi.Mumbai tem uma das redes suburbanas mais densas do mundo, com mais de 7 milhões de passageiros diários, e 36 estações na cidade sofreram uma reforma. Em outubro, duas ONGs, Mumbai First e Making the Difference, reuniram 25 mil voluntários e artistas de escolas de arte para pintar durante sete dias, com materiais fornecidos por empresas de pintura.


Foto - Metro de Arjan Garh em Gurgaon


Rajiv Choudhury, diretor de desenvolvimento de estações de trem da Indian Railways, diz que cerca de 80 das 3.000 ou mais estações do país já foram instaladas dessa maneira. "Cabe às comunidades locais em torno dos restantes para pintar aqueles também, se quiserem."E através da Índia, formas de arte morrendo foram revividas. Uma técnica conhecida como phad - pinturas em tecido que descrevem histórias de divindades locais, com cada polegada densamente coberta - está em toda a estação de Jodhpur. A estação da cidade de Udaipur reviveu imagens da Mewar School of Art, uma importante escola de pintura em miniatura nos séculos XVII e XVIII. A estação de Jaipur foi pintada com arte Jogi, uma forma tribal que usa pontos e linhas. Ajmer mostra a caligrafia para a qual os artesãos da cidade são famosos. Na estação ferroviária de Madhubani, em Bihar (que costumava ser uma das mais sujas da Índia), os turistas vão ver as tradicionais cenas de Mithila, a partir de textos mitológicos e folclore que agora cobrem quase todos os cantos do edifício. À medida que a mania se espalha, artistas locais estão agora conseguindo trabalho dos donos de cafés e escritórios que acham que uma parede pintada de cores vivas pode ser exatamente o que eles precisam “para atrair turistas”.



Foto - Estação Ferroviária de Sawai Madhopur. Foto: Arsh Marwaha / WWF Índia


De fato, um resultado inesperado do projeto é que as paredes pintadas reduziram drasticamente a quantidade de lixo e cuspidas. "As pessoas relutam em prejudicar algo de bom", diz Choudhury.Veena Joshi, uma executiva de marketing em Mumbai que viaja de trem para trabalhar todos os dias, disse que os indianos estão famintos por um ambiente agradável (embora muitos morram de fome); 60% da população de Mumbai, por exemplo, vive em favelas. “No momento em que vejo as cores em Khar, isso aumenta meu humor”, diz ela. "É uma coisa pequena, mas com grande impacto".

Texto reorganizado de clique aqui

20 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest