banner_300x250_V2_01_vacina_portais.gif

Bienal de arte contemporânea de Liverpool 2018, "Beautiful World, Where are You?"

O público poderá ver o piso espetacular do St George's Hall como parte da Bienal de Leverpool, Inglaterra. A Bienal estará aberta ao público a partir do dia 14 de Julho

Foto - O piso Minton estava coberto por mais de 20 anos depois que o St George's Hall foi concluído na década de 1840 para proteger os azulejos. Foto: Ant Clausen / Imagem cedida por St George's Hall

Os 30 mil azulejos do piso Minton do St George's Hall, em Liverpool, Inglaterra, um dos mais espetaculares andares vitorianos sobreviventes, costumam ser bons demais para o uso diário. Mas será usado para celebrar a Bienal de Leverpool.

Outros tesouros ecléticos celebrados incluem “Waterloo teeth” colhidos do campo de batalha para venda como próteses dentárias; o carvalho de Allerton, que se acredita ter cerca de 1.000 anos de idade; são séculos de tesouros de arte da Galeria Walker, de Giovanni Bellini a David Hockney; a coleção cívica de prata, incluindo uma maça que já pertenceu a Charles II que foi o Rei da Inglaterra, Escócia e Irlanda de 1660 até sua morte. Seu pai Charles I foi executado no Palácio de Whitehall em 30 de janeiro de 1649, no auge da Guerra Civil Inglesa; e a preciosa cópia da Audubon’s Birds of America, da Biblioteca Central, uma das 120 cópias.

Foto - Uma das páginas em Audubon’s Birds of America. Fotografia: Imagem cortesia de Liverpool Libraries and Information Services, Câmara Municipal de Liverpool

Sally Tallant, diretora da Bienal, disse que as coleções, que contam “a história de Liverpool como uma cidade portuária, sua grande prosperidade, seu declínio pós-industrial e suas histórias pós-coloniais”, ajudaram a inspirar o tema da Bienal de 2018, que abre em 14 de julho.

No St George's, o piso de 42 metros por 22 metros, construído na década de 1840. O chão deslumbrante permaneceu visível por apenas 20 anos, quando foi coberto para fornecer uma superfície menos vulnerável para bailes. O resultado é que, enquanto as peças em torno da borda são desgastadas e suas cores brilhantes originais que estão na seção central está em perfeito estado.

Desde o último grande trabalho de restauração no salão, o piso só foi exposto em sete ocasiões. Desta vez, o historiador oficial da cidade, Steve Binns, está saindo da aposentadoria para dar palestras e liderar as turnês pelo salão.

Foto - A diretora-artista Agnès Varda está criando seu primeiro trabalho para a Bienal de Leverpool. Foto: Bienal de Liverpool

A 10ª Bienal de Liverpool, o maior festival de arte contemporânea do Reino Unido, tem seu título “Beautiful World, Where are You?” de um poema do século 18 de Friedrich Schiller, dado um frisson contemporâneo pela turbulência política, ambiental e econômica em muitos países.

Tallant disse que começou a pensar neste tema sombrio durante a Bienal de 2016, que abriu logo após a votação para o Brexit. "Dependendo do seu ponto de vista, o mundo começou a cair em uma nova ordem caótica", acrescentou ela.

O programa é sempre internacional e multicultural, mas o evento de 2018 deliberadamente lançou sua rede ainda mais. O programa inclui o trabalho em locais como o museu e as galerias da cidade, espaços cívicos e universidades.

"Qualquer incoerência faz parte da narrativa", disse Talland quando ela apresentou o programa para a Bienal deste ano.

Texto - Maev Kennedy

24 de novembro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest