banner_300x250_V2_01_vacina_portais.gif

Modigliani vendido por U$ 157,2 milhões na Sotheby's

A pintura de 1917 de Amedeo Modigliani, “Nu Couché (Sur Le Côté Gauche)”, vendida por US $ 157,2 milhões na Sotheby's na última segunda-feira (14)

Neste ponto do mercado da arte, é difícil não se acostumar com os superlativos: a coleção privada mais valiosa vendida em leilão (a venda “Rockefeller” na semana passada na Christie's); o preço mais alto já pago por uma pintura (US $ 450 milhões para "Salvator Mundi" de Leonardo da Vinci em novembro na Christie's) e o que a Sotheby's confirmou foi a estimativa mais alta já feita em um leilão: US $ 150 milhões pela pintura de Amedeo Modigliani pintada em 1917 “Nu Couché” (Sur Le Côté Gauche)”.

A pintura de Modigliani mal conseguiu ultrapassar essa quantia na noite de segunda-feira (14) na Sotheby's, vendida por US $ 157,2 milhões com taxas.

"Você não pode encontrar mais obras-primas", disse o comerciante David Nahmad, acrescentando, "considerando o que a Sotheby's tinha, eles se saíram bem".

Embora tenha sido o maior preço de leilão de uma obra vendida na Sotheby's, é igualmente digno de nota que a pintura também oferecesse a maior garantia já dada pela empresa. Isso significava que a casa de leilões estava disposta a garantir um preço mínimo ao proprietário, potencialmente arriscando milhões. A Sotheby's conseguiu transferir esse risco para terceiros, que se tornaram os compradores das obras vendidas. Entre elas "Three Seated Women" de Henry Moore (1942), vendido por US $ 300.000, "Force Comique" de Francis Picabia (1914), vendido por US $ 1,1 milhão, "Le Repos", de Pablo Picasso, de 1932, por US $ 36,9 milhões.



2 de dezembro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Contato

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: 41.8713-4418

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest