banner_300x250_V2_01_vacina_portais.gif

Tatuando sobre as cicatrizes da violência doméstica


Na Rússia, uma mulher está transformando vestígios das vítimas de seus passados dolorosos em obras de arte

Em algum lugar entre conselheiro e artista a tatuadora Evguenia Zakhar, de 33 anos, transforma as cicatrizes das vítimas de violência doméstica em obras de arte em seu estúdio de tatuagem na Ufa, na Rússia.

Em um pequeno porão na esquina da estrada principal, Evguenia descreve minuciosamente flores ao longo de velhas cicatrizes. De frente para ela, o braço estendido, Dinara frouxa os lábios com dor e fica em silêncio. Apenas 20 anos, a jovem passou por mais do que a maioria das pessoas dobro de sua idade. Tendo sofrido golpes de seu pai, e depois seu marido, o corpo da jovem está coberto de vestígios desse passado doloroso.

Desde então ela deixou seu parceiro e vive sozinha com sua filha de três anos, Amelia. "Vendo minhas cicatrizes", confia Dinara, "minha filha começou a desenhar as mesmas marcas em seus braços. . . Sinto-me tão envergonhado, não posso aguentar.

Duas horas de trabalho depois, as cicatrizes são completamente cobertas com pequenas flores delicadas, tingidas de azul. Os traços das lesões de Dinara realmente tornam o interior das flores mais realista.

Quente e naturalmente otimista, Evguenia trabalha como tatuadora por 10 anos, ao lado de seu parceiro, Alexeï. "Foi a escolha natural para mim me tornar um artista de tatuagem, porque gostei de desenhar, mas não quis curvar minha criatividade na faculdade de arte", explica ela.

Abrange todos os custos

Em agosto passado, Evguenia encontrou o trabalho A Pele da Flor pela artista brasileira de tatuagem Flavia Carvalho, que cobriu as cicatrizes de mulheres vítimas de violência doméstica. Inspirado, o jovem russo decidiu seguir seu exemplo oferecendo seus serviços gratuitamente através da rede social russa, Vkontakte.

O tatuador ficou surpreso com a popularidade de sua oferta. "Em apenas uma semana, eu já tinha 50 pedidos", diz ela. Durante seis meses, mais de 200 mulheres se encontraram sob as mãos experientes de Evguenia, que se dedica todas as segundas a essas tatuagens. Ela os oferece gratuitamente, cobrindo todos os custos envolvidos.

As vítimas de tatuagem da violência doméstica passaram a ser apenas um trabalho. "Em cima de ajudá-los, eu deixo minha marca no mundo. A maioria dos meus clientes são mais jovens do que eu, e quando eu tiver ido, eles continuarão a suportar minhas tatuagens, o que lhes lembra que um novo começo é possível ", explica.

Para as mulheres que vêm ao estúdio, Evguenia é inconfundivelmente um artista, mas também um conselheiro. "Para começar, foi terrível ouvir todas essas histórias, mas pouco a pouco eu aprendi a ouvir. Agora, eu até sugiro que eles contam sua história uma última vez - antes de deixá-la para trás para sempre assim que a tatuagem estiver concluída ", diz ela.

No futuro, Evguenia espera entrar em sua moto com seu parceiro em uma turnê pela Rússia, para que ela possa oferecer seus serviços a mulheres abusadas de outras regiões. Vítimas já vêm de toda a região para me encontrar. . . mas eu gostaria de fazer ainda mais ", explicou.

Simbólico

O compromisso de Evguenia é ainda mais simbólico em uma Rússia que recentemente introduziu uma lei que descriminaliza a violência doméstica. Desde fevereiro de 2017, alguns casos de violência doméstica, como aqueles em que os sopros são lançados pela primeira vez e não afetam a saúde da vítima, são considerados um delito "administrativo" em vez de uma ofensa criminal. Estes casos são penalizados com uma multa de entre 5.000 a 30.000 rublos (€ 75- € 452).

O Bill provocou fortes reações entre o público, alguns temendo que ele possa banalizar o fenômeno. De acordo com o Ministério dos Assuntos Internos da Rússia, todos os anos, 36.000 mulheres são vítimas de abuso doméstico e 12.000 mulheres morrem como resultado da violência de seus parceiros.

Na Rússia, 97 por cento dos casos de violência doméstica não são tomadas até ao tribunal.

O artigo de Manon Masset aparece no jornal franco-russo Le Courrier de Russie.

1 de dezembro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Contato

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: 41.8713-4418

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest