Em primeiro lugar, acreditar em si mesmo


Foto Ilustrativa - Museu do Boxe


O estilo distinto de Jack Johnson boxear também foi alvo de críticas pela imprensa discriminatória da época. Lutando defensivamente, sempre a espera de um erro do adversário, que lhe permitisse uma abertura para um golpe mais preciso e cauteloso, Johnson foi tachado pelos jornais como um lutador covarde e desonesto. No entanto, uma década antes, essa mesma imprensa enaltecia o então campeão Jim Corbett, chamando-o de "o mais inteligente homem no mundo do boxe", sem levar em consideração que Johnson basicamente repetia as mesmas táticas introduzidas por Corbett.

Seu nome era John Arthur Johnson e viveu de 1878 a 1946. Foi um pugilista americano, que entrou para história ao ter se tornado o primeiro boxeador negro campeão mundial dos pesos-pesados, título este que foi conquistado em 1908 e mantido até 1915, em meio a muita opressão e racismo.

Jack Johnson iniciou sua carreira no boxe, muito discretamente, em 1897, e sem enfrentar grandes adversários até 1901, quando perdeu para o consagrado Joe Choynski. Esta luta mudaria a carreira de Johnson, não pelo o que aconteceu no ringue, mas sim pelo que se sucedeu ao término da luta. Detidos na prisão após a luta, Choynski e Johnson permaneceram um mês encarcerados juntos, o que acabou selando uma amizade entre os dois, que levou o veterano Choynski a se tornar o treinador de Johnson.

Em uma época de extremo racismo na América, Johnson teve de conquistar primeiro o pódio de maior lutador negro de seu tempo, antes de poder pensar em conquistar o título mundial. Após travar grandes duelos contra John Haines e Hank Griffin, em 1902, Johnson conseguiu uma importante vitória contra Frank Childs, que colocou-o em posição de desafiar o campeão Denver Ed Martin.

Logo em 1903, Johnson derrotou Denver Ed Martin e tornou-se campeão mundial dos pesos-pesados, título este que o levou a desafiar o também campeão mundial dos pesos-pesados James Jeffries. Naturalmente, seguindo o pensamento extremista racista da época, Jeffries recusou-se a colocar seu título em disputa contra Johnson, pois apesar de lutas inter-raciais já acontecerem naquele tempo, a defesa de um título mundial contra um negro ainda era algo inconcebível para a sociedade branca.

Sem desistir do sonho de ser campeão, com a ascensão do canadense Tommy Burns à condição de campeão mundial dos pesos-pesados, Johnson vislumbrou uma nova oportunidade de tentar disputar o título mundial. Assim, quando Burns iniciou sua volta ao mundo, Johnson seguiu-o pela Inglaterra, e depois até a Austrália, sem nunca perder uma chance de provocar o campeão diante dos jornalistas.

Mas finalmente, em dezembro de 1908, Tommy Burns e Jack Johnson subiram ao ringue, em uma inédita disputa pelo título mundial dos pesos-pesados. Realizada em Sydney, na Austrália, a luta atraiu a atenção de um público de mais de vinte mil pessoas, que assistiu à técnica de Johnson prevalecer sobre a agressividade do campeão Burns. A filmagem da luta foi cortada quando se tornou evidente que Johnson iria nocautear Burns, porém como a polícia interrompeu o combate no 14º round, coube ao árbitro declarar Johnson como o vencedor e novo campeão mundial dos pesos-pesados.

Após a vitória de Johnson sobre Burns, a questão racial tomou proporções tão profundas, que se deu início à época das "esperanças brancas", um período em que a reconquista do título mundial por um pugilista branco se tornou o foco no mundo do boxe. Nunca antes na história houvera um campeão tão impopular quanto Johnson, cujo reinado teve de ser testado tantas e tantas vezes. Somente em 1909, Johnson teve de defender seu título conta as "esperanças brancas" Philadelphia Jack O'Brien, Tony Ross e Al Kaufman, além de um embate contra o terrível campeão mundial dos pesos-médios Stanley Ketchel.


(Se você tiver mais informações ou outras histórias me envie um email para contar para todos - diegogravura1@gmail.com



22 de outubro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

WhatsApp: (41) 8713-4418

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest