banner_300x250_V2_01_vacina_portais.gif

Três pessoas são presas por morte de motorista da Uber


Duas mulheres e um homem foram presos por policiais do Tigre, unidade de elite da Polícia Civil, suspeitos de envolvimento na morte do motorista de Uber Alex Srour Ribeiro, de 28 anos. A investigação ainda está em curso e a suspeita é de que outras três pessoas tenham participação no crime – entre elas um adolescente.

Ribeiro foi morto no último dia 26 após atender uma solicitação no aplicativo Uber. Ao chegar no local, no Bairro Alto, em Curitiba, os suspeitos teriam entrado no carro e dado voz de assalto. A investigação aponta que após tentar reagir, a vítima foi amarrada e depois morta. O corpo do motorista foi encontrado no dia seguinte em meio a um matagal, com as mãos e pés amarrados, em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba.

O delegado-titular do Tigre, Luiz Fernando Artigas, afirmou que, inicialmente, os policiais atuaram no caso pela suspeita de se tratar de um sequestro, mas quando o corpo foi encontrado as diligências apontaram para o crime de latrocínio – roubo seguido de morte.

De posse de informações repassadas pelo aplicativo, os policiais do Tigre chegaram até a casa de um rapaz, de 21 anos. Foi de lá que partiu a solicitação do Uber. A suspeita é de que os criminosos se reuniram na casa dele para planejar o roubo e para lá retornaram após o crime. Na residência, os policiais apreenderam um simulacro, que estava embaixo do travesseiro, e um martelo. A suspeita é de que um simulacro tenha sido usado na hora de anunciar o assalto e o martelo para desferir golpes contra a vítima. “Estamos encaminhando o martelo para a perícia”, disse Artigas.

Depois disso, os policiais chegaram até uma mulher, de 47 anos. Foi do aplicativo instalado no celular dela que partiu o chamado do Uber. “A intenção deles era roubar o carro. Independente de quem fosse o motorista”, explicou o delegado. Ela é mãe do suspeito de ser o mentor intelectual do crime. Seu filho já foi preso pelos crimes de roubo, tráfico de drogas e receptação.

A polícia chegou até outra mulher,, de 31 anos, ela era quem estava com o aparelho celular da vítima. Ela é namorada de um dos envolvidos. “Recuperamos o celular da vítima que estava em seu poder. Ela não teve sequer o cuidado de apagar os vídeos da vítima”, disse Artigas.

O delegado do Tigre explica que inicialmente o plano era atrair o motorista do Uber para roubar o veículo. “A informação que temos é que a vítima teria reagido e eles perderam a mão, culminando com a morte do motorista”. De acordo com a investigação, o carro de Ribeiro teria sido vendido por R$ 1,3 mil.

A polícia suspeita ainda da participação de outras duas pessoas: um adolescente, que não teve o nome divulgado para não atrapalhar as investigações, e de uma rapaz, de 19 anos, vulgo “Marcelo Gordo”.

24 de novembro de 2020

Site de Notícias de Curitiba / Paraná

Jornale: edson@jornale.com.br

             redacao@jornale.com.br

Correio Paranaense / Jornal do Ônibus

comercial@jornaldoonibusdecuritiba.com.br

Tel. 41 3263-2002

Editorias

Editais

Siga Jornale

  • Pinterest